VAC. CONTRA HEPATITE A,INATIV,PURIFIC

MERCK SHARP

vacina anti-hepatite a

Apresentações.

A Vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD é apresentada em frasco-ampolas contendo uma dose de 25U 0,5 mL para uso em pacientes pediátricos e adolescentes; ou em frasco-ampolas contendo uma dose de 50U 1,0 mL para uso em adultos.
USO ADULTO/PEDIÁTRICO/ADOLESCENTE

Composição.

Ingredientes Ativos: Formulação pediátrica e para adolescentes: Cada dose de 0,5 mL contém aproximadamente 25U do antígeno do vírus da hepatite A como ingrediente ativo. Formulação para adultos: Cada dose de 1 mL contém aproximadamente 50U do antígeno do vírus da hepatite A como ingrediente ativo.
Ingredientes Inativos: Formulação pediátrica e para adolescentes: Cada dose de 0,5 mL contém aproximadamente 0,225 mg de alumínio na forma de sulfato de hidroxifosfato de alumínio amorfo e 35 mcg de borato de sódio como estabilizador de pH, em cloreto de sódio a 0,9%. Formulação para adultos: Cada dose de 1 mL contém aproximadamente 0,45 mg de alumínio na forma de sulfato de hidroxifosfato de alumínio amorfo e 70 mcg de borato de sódio como estabilizador de pH, em cloreto de sódio a 0,9%.

Indicações.

A vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD é indicada para vacinação contra a infecção causada pelo vírus da hepatite A. A imunização primária deve ser feita pelo menos duas semanas antes da provável exposição ao vírus da hepatite A.
Recomenda-se a vacinação de crianças a partir de dois anos de idade, adolescentes e adultos que corram risco de contrair, de disseminar a doença ou de apresentar infecção fatal, se infectados.

Resultados de eficácia.

Um grau muito elevado de proteção tem sido demonstrado após dose única da vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD em crianças e adolescentes. A eficácia protetora, a imunogenicidade e a segurança da vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD foram avaliadas em um estudo duplo-cego, randômico e controlado com placebo, envolvendo 1.037 crianças e adolescentes saudáveis suscetíveis, com 2 a 16 anos de idade, em uma comunidade dos EUA com surtos recorrentes de hepatite A (The Monroe Efficacy Study). Cada criança recebeu uma dose intramuscular única da vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD (aproximadamente 25 U) ou placebo. Entre os indivíduos inicialmente soronegativos (de acordo com os critérios modificados HAVAB), obteve-se soroconversão em > 99% dos receptores da vacina em 4 semanas após a vacinação. O início da soroconversão após dose única da vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD foi verificado como ocorrendo paralelamente ao início da proteção contra a doença clínica da hepatite A.
Em virtude do longo período de incubação da doença (aproximadamente 20 a 50 dias, ou mais em crianças), a análise da eficácia protetora baseou-se nos casos* de hepatite A clinicamente confirmados que ocorreram em um período ≥50 dias após a vacinação a fim de excluir qualquer criança que estivesse incubando a infecção antes da vacinação. Em indivíduos inicialmente soronegativos, a eficácia protetora de uma dose única da vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD foi de 100% em 21 casos de hepatite A clinicamente confirmados que ocorreram no grupo placebo e nenhum no grupo que recebeu a vacina (p < 0,001). Ocorreram vinte e oito casos de hepatite clinicamente confirmada no grupo placebo e nenhum caso no grupo da vacina ≥30 dias após a vacinação. Além disso, observou-se neste estudo que não ocorreu nenhum caso clinicamente confirmado de hepatite A no grupo da vacina após o dia 16.Após a demonstração da proteção com uma dose única e o término do estudo, administrou-se uma dose de reforço 6, 12 ou 18 meses após a primeira dose à maioria dos indivíduos vacinados.
Persistência
Até o momento, a duração total do efeito protetor da vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD em indivíduos saudáveis vacinados é desconhecida. No entanto, foi demonstrado que a soropositividade persiste por até 18 meses após dose única de ~25 U em 90% de uma coorte de crianças e adolescentes (n= 39) que participaram do estudo The Monroe Efficacy Study; 95% desta coorte demonstraram resposta de anticorpo anamnéstica após administração de dose de reforço após 18 meses. Até o momento, não ocorreu nenhum caso clinicamente confirmado de hepatite A em 50 dias ou mais após a vacinação dos indivíduos incluídos no estudo The Monroe Efficacy Study, que foram monitorados por até 6 anos.
Um indivíduo vacinado não preencheu os critérios pré-definidos para hepatite A clinicamente confirmada, porém apresentou IgM positiva para hepatite A e elevações limite de enzima hepática (ALT) nos dias 34, 50, e 58 após a vacinação, apresentando sintomas clínicos leves nos dias 49 e 50.
Duas crianças apresentaram títulos pós-dose de reforço de 6.724 mIU/mL e 105.281 mIU/mL (os títulos pré-dose de reforço eram de 4.959 mIU/mL e 43.029 mIU/mL, respectivamente). Esses títulos não preencheram os critérios para resposta anamnéstica de anticorpos, conforme definido pelo protocolo do estudo (≥10 vezes a elevação do título pós-dose de reforço em relação ao título pré-dose de reforço e título pós-dose de reforço ≥100 mIU/mL). Esses números sugerem uma resposta anamnéstica após a exposição ao vírus selvagem em algum momento após a primeira dose, porém antes da dose de reforço.
A eficácia da vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD para controlar o aparecimento de surtos na comunidade foi comprovada, uma vez que, embora tenham ocorrido casos de infecção importada, a comunidade do estudo ficou livre dos surtos. Em contrapartida, três comunidades vizinhas da cidade de Monroe continuaram apresentando surtos da doença.
Em adultos, demonstrou-se que a soropositividade persiste por até 18 meses após dose única de ~50 U. A persistência da memória imunológica foi demonstrada com uma considerável resposta anamnéstica de anticorpos a uma dose de reforço de ~25 U administrada 6 a 18 meses após a primeira dose em crianças e adolescentes, e a uma dose de reforço de ~50 U administrada 6 a 18 meses após a primeira dose em adultos.
Em estudos com crianças e adolescentes saudáveis que receberam duas doses (~25 U) da vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD em 0 e 6 a 18 meses, tem se verificado que a resposta de anticorpos da hepatite A até o momento persiste por até 6 anos. Os GMTs (média geométrica dos títulos) tendem a declinar com o tempo.
Nos estudos com indivíduos saudáveis que receberam duas doses (~50 U) da vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD em 0 e 6 meses, tem se verificado que a resposta de anticorpos da hepatite até o momento persiste por até 6 anos. Após um declínio inicial em 2 anos, os GMTs estabilizaram-se durante um período de 2 a 6 anos.
Estão em andamento estudos em crianças, adolescentes e adultos saudáveis para avaliar a persistência e a necessidade (se houver) a longo prazo para doses de reforço adicionais.

Caract. farmacológicas.

O vírus da hepatite A é um dos vários vírus da hepatite que causam infecção sistêmica com patologia no fígado. O período de incubação varia de aproximadamente 20 a 50 dias. Embora o curso da doença seja geralmente benigno e não resulte em hepatite crônica, a infecção pelo vírus da hepatite A continua sendo uma importante causa de morbidade e ocasional hepatite fulminante e morte.
A hepatite A é transmitida mais freqüentemente pela via fecal-oral, ocorrendo infecção em domicílios, centros ambulatoriais, unidades neonatais de tratamento intensivo e hospitais. Surtos de fonte comum causados por alimentos contaminados e suprimentos de água ocorreram após o consumo de certos alimentos, como mariscos crus e alimentos não cozidos, preparados por pessoas contaminadas ou que foram contaminados de outra forma antes de serem ingeridos (saladas, sanduíches, framboesas congeladas, etc.). A transmissão pelo sangue, embora rara, é possível por meio de transfusão sangüínea, hemoderivados contaminados, ou por agulhas compartilhadas com um indivíduo contaminado. Transmissão sexual também foi relatada.
Estima-se que ocorram aproximadamente 143.000 infecções por hepatite A ao ano nos EUA, das quais 75.800 resultam em manifestação clínica da hepatite A, 11.400 em hospitalizações, e 80 em mortes devidas a hepatite fulminante; estima-se que, em todo o mundo, ocorram 1,4 milhão de casos por ano. As manifestações clínicas da infecção por hepatite A freqüentemente não são reconhecidas em crianças com idade ≤2 anos ao passo que a hepatite manifesta se desenvolve na maioria das crianças com mais idade e adultos. Os sinais e sintomas da infecção por hepatite A são semelhantes aos associados a outros tipos de hepatite viral e incluem anorexia, náusea, febre/calafrios, icterícia, urina escura, fezes claras, dor abdominal, mal-estar, e fadiga.
A vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD é uma vacina de vírus inativado que demonstrou induzir a produção de anticorpos contra a proteína do vírus da hepatite A. O vírus da hepatite A é um dos vários vírus da hepatite que acomete o fígado, causando infecção sistêmica. O período de incubação é de aproximadamente 20 a 50 dias. Embora o curso da doença seja, em geral, benigno e não resulte em hepatite crônica, a infecção pelo vírus da hepatite A continua a ser uma causa importante de morbidade e, ocasionalmente, de hepatite fulminante e morte.

Contraindicações.

Hipersensibilidade a qualquer componente da vacina.

Advertências e precauções.

Indivíduos que desenvolvem sintomas sugestivos de hipersensibilidade após a administração da vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD não devem receber outras doses da vacina (veja CONTRAINDICAÇÕES).
A resposta imunológica esperada pode não ser obtida se a vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD for administrada a indivíduos com neoplasias, indivíduos que estejam sob tratamento imunossupressor ou que apresentem alguma forma de imunocomprometimento.
A vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD não prevenirá a hepatite causada por outros agentes infecciosos que não sejam o vírus da hepatite A. Em decorrência do longo período de incubação da hepatite A (aproximadamente 20 a 50 dias), é possível que exista uma infecção subclínica pelo vírus da hepatite A no momento da vacinação; nesses indivíduos, a vacina pode não prevenir a hepatite A.
Assim como para qualquer vacina, recursos adequados, inclusive adrenalina, devem estar disponíveis para uso imediato, caso ocorra reação anafilática ou anafilactóide.
A vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD pode ser administrada por via subcutânea quando clinicamente apropriado (por exemplo, pessoas com distúrbios da coagulação, que correm risco de hemorragia), apesar da cinética de soroconversão ser mais lenta para a primeira dose subcutânea da vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD em comparação com os dados históricos para a administração intramuscular.
Assim como ocorre com outras vacinas, a vacinação com a vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD pode não proporcionar proteção a todos os indivíduos suscetíveis vacinados.
Qualquer infecção aguda ou doença febril pode ser motivo para postergar a vacinação com a vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD, exceto quando, na opinião do médico, essa atitude implicar maior risco.
Gravidez
Não foram conduzidos estudos de reprodução animal com a vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD, assim como também não se sabe se esta vacina pode afetar a capacidade de reprodução ou causar danos ao feto quando administrada a mulheres grávidas. A vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD só deve ser administrada a mulheres grávidas se for estritamente necessário.
Categoria de Risco: C
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.
Nutrizes
Não se sabe se a vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD é excretada no leite materno. Como muitos medicamentos são excretados no leite materno, deve-se ter cuidado ao se administrar a vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD a nutrizes.
USO EM IDOSOS, CRIANÇAS E OUTROS GRUPOS DE RISCO
Uso Pediátrico
Demonstrou-se que a vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD, em geral, é bem tolerada e altamente imunogênica em indivíduos de 2 a 17 anos de idade (veja POSOLOGIA E ADMINISTRAÇÃO).
A vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD NÃO É RECOMENDADA PARA CRIANÇAS COM MENOS DE DOIS ANOS DE IDADE, POIS NÃO HÁ DADOS DISPONÍVEIS SOBRE O USO NESSA FAIXA ETÁRIA.

Interações medicamentosas.

Uso com Outras Vacinas
A vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD pode ser administrada concomitantemente com as vacinas contra febre amarela e da febre tifóide, desde que sejam utilizados locais diferentes para a aplicação.
O ACIP (Advisory Committee on Immunization Practices - Comitê Consultor sobre Práticas de Imunização dos EUA) estabeleceu que informações limitadas provenientes de estudos conduzidos em adultos indicam que a administração simultânea da vacina contra hepatite A com vacinas contra difteria, poliovírus (oral e inativado), tétano, tifóide oral, cólera, encefalite japonesa, rábica ou febre amarela não diminui a resposta imunológica a nenhuma das vacinas nem aumenta a freqüência de relato de eventos adversos. Estudos indicam que a vacina contra hepatite B pode ser administrada com a vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD sem afetar a imunogenicidade ou aumentar a freqüência de eventos adversos.
Uso com Imunoglobulina
A vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD pode ser administrada concomitantemente com IG, desde que sejam utilizados locais e seringas diferentes, a indivíduos que necessitem de profilaxia pós-exposição ou proteção imediata e de longo prazo combinadas (por exemplo, viagens curtas para áreas endêmicas) (veja POSOLOGIA E ADMINISTRAÇÃO).

Cuidados de armazenamento.

Armazene a vacina entre 2° e 8°C. NÃO CONGELE, pois o congelamento destrói a potência da vacina.

Posologia e modo de usar.

NÃO APLIQUE POR VIA INTRAVENOSA, INTRADÉRMICA OU SUBCUTÂNEA
A vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD deve ser administrada somente por via intramuscular, de preferência no músculo deltóide.
A vacinação consiste na administração de uma primeira dose e de uma dose de reforço, administradas de acordo com o seguinte esquema:
Crianças/Adolescentes: indivíduos de 2 a 17 anos de idade devem receber primeiramente uma dose única de 0,5 mL (aproximadamente 25 U) da vacina e, 6 a 18 meses depois, uma dose de reforço de 0,5 mL (aproximadamente 25 U)
Adultos: indivíduos com idade maior ou igual a 18 anos devem receber primeiramente uma dose única de 1,0 mL (aproximadamente 50 U) da vacina e, 6 a 18 meses depois, uma dose de reforço de 1,0 mL (aproximadamente 50 U).
Adultos com o Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV): adultos HIV-positivos devem receber uma dose única de 1,0 mL (aproximadamente 50 U) da vacina e uma dose de reforço de 1,0 mL (aproximadamente 50 U) 6 meses depois.
Intercambialidade da Dose de Reforço
Pode-se administrar uma dose de reforço da vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD 6 a 12 meses após a primeira dose de outras vacinas inativadas contra hepatite A.
Um estudo clínico que envolveu 537 adultos saudáveis, com idade entre 18 e 83 anos, avaliou a resposta imune a uma dose de reforço da vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD em comparação com a vacina contra hepatite A, inativada de SmithKline Beecham Pharmaceuticals, administradas 6 ou 12 meses após a dose inicial desta última. Quando a vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD foi administrada como dose de reforço após a vacina contra hepatite A, inativada de SmithKline Beecham Pharmaceuticals, a vacina proporcionou resposta imune adequada (veja tabela abaixo) e foi, em geral, bem tolerada.
Taxa de soropositividade com a vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD e com a vacina contra hepatite A, inativada de SmithKline Beecham Pharmaceuticals, resposta após dose de reforço*= e média geométrica dos títulos de anticorpos 4 semanas após a dose de reforço.

Uso com Outras Vacinas
A vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD pode ser administrada concomitantemente com vacinas contra febre amarela e febre tifóide; informações sobre o uso concomitante com outras vacinas são limitadas. Devem ser utilizados locais de injeção e seringas diferentes para administração concomitante de vacinas injetáveis.
Exposição Conhecida ou Presumida ao VHA/Viagem para Áreas Endêmicas
Uso com Imunoglobulina
A vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD pode ser administrada concomitantemente com IG, desde que sejam utilizados locais e seringas diferentes e obedecido o esquema de vacinação para a vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD descrito anteriormente. Consulte a bula emitida pelo(s) fabricante(s) para certificar-se da posologia adequada de IG. Na época apropriada, deve-se administrar uma dose de reforço da vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD, conforme descrito anteriormente (veja INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS).
A vacina deve ser utilizada como fornecida; não há necessidade de reconstituição.
Agite bem antes de usar para manter a vacina em suspensão.
Produtos de uso parenteral devem ser inspecionados antes da administração, para detectar material particulado e alterações de coloração, sempre que a solução e o frasco permitirem. Após completa homogeneização, a vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD apresenta-se como uma suspensão branca, ligeiramente opaca.
É importante utilizar seringas e agulhas estéreis e descartáveis para cada paciente, a fim de evitar a transmissão de agentes infecciosos.

Reações adversas.

Estudos Clínicos
Durante os estudos clínicos, não foram observadas reações adversas graves relacionadas à vacina.
Crianças/Adolescentes - 2 a 17 anos de idade
Em estudos clínicos combinados que envolveram 2.595 crianças e adolescentes saudáveis (inclusive no Estudo Monroe de Eficácia, controlado com placebo, com 1.037 participantes) que receberam uma ou mais doses de aproximadamente 25 U da vacina contra hepatite A, foram observadas febre e queixas no local da injeção por cinco dias após a vacinação e queixas sistêmicas, por um período de 14 dias após a vacinação. As queixas mais freqüentemente relatadas relacionaram-se ao local da injeção e, em geral, foram leves e transitórias.
As queixas relatadas com incidência maior ou igual a1%, independentemente da causalidade, em ordem decrescente de freqüência dentro de cada sistema corpóreo, são relacionadas a seguir:
Reações no Local da Injeção (em geral, leves e transitórias): dor (18,7%) e aumento da sensibilidade (16,8%), calor (8,6%), eritema (7,5%), inchaço (7,3%) e equimose (1,3%).
Organismo em Geral: febre (≥38,8oC, oral) (3,1%) e dor abdominal (1,6%).
Sistema Digestivo: diarréia (1,0%) e vômitos (1,0%).
Sistema Nervoso/Psiquiátrico: cefaléia (2,3%).
Sistema Respiratório: faringite (1,5%), infecção do trato respiratório superior (1,1%) e tosse (1,0%).
Achados Laboratoriais: foram relatadas poucas anormalidades laboratoriais, incluindo relatos isolados de aumentos de enzimas hepáticas, eosinofilia e proteinúria.
Adultos com idade maior ou igual a 18 anos
Em estudos clínicos combinados, 1.529 adultos saudáveis que receberam uma ou mais doses de aproximadamente 50 U da vacina contra hepatite, foram observadas febre e queixas no local da injeção por um período de cinco dias após a vacinação, e queixas sistêmicas, por um período de 14 dias após a vacinação. As queixas relatadas mais freqüentemente relacionaram-se ao local da aplicação da vacina e, em geral, foram leves e transitórias. As queixas relatadas com incidência maior ou igual a 1%, independentemente da causalidade, em ordem decrescente de freqüência em cada sistema corpóreo, são relacionadas a seguir:
Reações no Local da Injeção (em geral, leves e transitórias): aumento da sensibilidade (52,6%), dor (51,1%), calor (17,3%), inchaço (13,6%), eritema (12,9%), equimose (1,5%) e dor/dolorimento (1,2%).
Organismo em Geral: astenia/fadiga (3,9%), febre ( > 38,3oC, oral) (2,6%) e dor abdominal (1,3%).
Sistema Digestivo: diarréia (2,4%) e náuseas (2,3%).
Sistema Musculoesquelético: mialgia (2,0%), dor no braço (1,3%), dor lombar (1,1%) e rigidez (1,0%).
Sistema Nervoso/Psiquiátrico: cefaléia (16,1%).
Sistema Respiratório: faringite (2,7%), infecção do trato respiratório superior (2,8%) e congestão nasal (1,1%).
Sistema Geniturinário: distúrbio menstrual (1,1%).
Nos estudos clínicos, reações locais e/ou de hipersensibilidade sistêmica ocorreram em menos de 1% das crianças, adolescentes ou adultos e incluíram as seguintes reações, independentemente da causalidade: prurido, urticária e erupção cutânea.
A exemplo de qualquer vacina, é possível que a utilização da vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD em populações muito grandes revele reações adversas não observadas em estudos clínicos.
Estudos de Segurança após a Comercialização
Em um estudo de segurança realizado após o início de sua comercialização, um total de 42.110 indivíduos com idade maior ou igual a 2 anos recebeu 1 ou 2 doses da vacina contra hepatite A, inativada, purificada, MSD, e não foi identificado nenhum evento adverso grave relacionado à vacina. Também não ocorreram eventos adversos não graves, relacionados à vacina, que tenham resultado em consulta ambulatorial, com exceção de diarréia/gastroenterite em adultos, com incidência de 0,5%.
Experiência Pós-comercialização
As seguintes reações adversas foram relatadas com o uso da vacina comercializada:
Sistema Nervoso: muito raramente, síndrome de Guillain- Barre, ataxia cerebelar.

Superdose.

Não há dados disponíveis sobre superdosagem.

Dizeres legais.

Registro MS - 1.0029.0030
Venda sob prescrição médica.

Princípios Ativos de Vac. Contra Hepatite A,inativ,purific

Patologias de Vac. Contra Hepatite A,inativ,purific

Laboratório que produce Vac. Contra Hepatite A,inativ,purific