Lixisenatide

Ações terapêuticas.

Hipoglicemiante.

Propriedades.

Este fármaco é um agonista seletivo do receptor GLP-1 que mimetiza o GLP-1 nativo, um hormônio endógeno do tipo incretina, que potencializa a secreção de insulina dependente de glicose pelas células beta. Sua ação é mediada por uma interação específica com os receptores do GLP-1, levando a um aumento do monofosfato cíclico de adenosina(AMPc). Estimula a secreção de insulina quando ocorre aumento da glicemia, porém não em condições de normoglicemia (portanto, menor risco de hipoglicemia) bloqueando, além disso, a secreção de glucagon. Sua absorção é rápida, a média para alcançar o Tmáx é de 1 a 3,5 horas. Apresenta moderada taxa de ligação a proteínas plasmáticas (55%) e sua eliminação é feita por filtração glomerular.

Indicações.

Diabetes mellitus tipo 2 em adultos em combinação com insulina ou medicamentos hipoglicemiantes.

Posologia.

O início do tratamento é feito com 10 mcg uma vez ao dia durante 14 dias, continuando-se com 20 mcg aplicados por via subcutânea (SC) dentro de 1 hora antes da primeira refeição do dia ou do jantar. Recomenda-se injetar na coxa, no abdome ou parte superior do braço. Não deve ser empregado por via intramuscular (IM) ou intravenosa (IV).

Reações adversas.

As mais frequentes foram náuseas, cefaleias, vômitos, diarreia, de caráter leve e transitórios.

Precauções.

O emprego concomitante com antibióticos deverá ser feito 1 hora antes ou 4 horas após a aplicação SC de lixisenatida.

Contraindicações.

Hipersensibilidade ao fármaco. Seu uso não é recomendado em mulheres em idade fértil que não estejam contraceptivos. Cetoacidose diabética.

Medicamentos que tem Lixisenatide

Medicamentos que tem Lixisenatide e outro princípio ativo