Femprocumona

Ações terapêuticas.

Anticoagulante oral.

Propriedades.

Age antagonizando a vitamina K nos sistemas enzimáticos que intervêm na formação dos fatores de coagulação: protrombina, fatores VII, IX e X. A femprocumona não apresenta efeitos sobre os fatores de coagulação já sintetizados; seu efeito é observado em 4 a 6 dias após o início do tratamento, independentemente da dose utilizada. É indicada em casos de tratamentos prolongados, devido a inexistência de hepatotoxicidade. A vitamina K anula o efeito anticoagulante da femprocumona.

Indicações.

Profilaxia e tratamento de trombose de embolias e de infarto do miocárdio.

Posologia.

A posologia é controlada tendo por base o tempo de protrombina ou outro estudo adequado; sua primeira determinação deve ser realizada antes da primeira dose. No terceiro dia de administração, deve-se realizar uma nova determinação para ajustar a dose ingerida pelo paciente. Os valores indicativos iniciais de posologia são: para um valor de Quick (pré-tratamento) de 80 -100%, primeira dose 15 mg, segunda dose, 9 mg <196> total de doses nos primeiros dias 24 mg; para um valor de Quick (pré-tratamento) de 70%, primeira dose, 15 mg, segunda dose, 6 mg <196> total de doses nos primeiros dias 21 mg; para um valor de Quick (pré-tratamento) de 60%, primeira dose, 12 mg, segunda dose, 6 mg <196> total de doses nos primeiros dias 18 mg; com valores de Quick menores que 60%, deve-se rever a função hepática antes de administrar a femprocumona. Tratamento de manutenção de 1,5 a 3 mg/dia.

Superdosagem.

Adequar a dose e controlar os parâmetros de coagulação. As hemorragias leves são controladas com a administração de 5 a 10 mg de vitamina K, exclusivamente por via intramuscular; se persistir, convém administrar uma segunda dose de vitamina K. Em casos de risco de vida com hemorragia intracraniana, hemorragia gastrintestinal intensa, urgência cirúrgica, é necessário realizar imediatamente transfusão sanguínea com concentrado de fatores de coagulação, dependentes de vitamina K ou plasma recente.

Reações adversas.

Alopecia temporária. Hepatite, com ou sem icterícia (a qual desaparece quando o tratamento é interrompido). São raras as manifestações de intolerância, ao nível gastrintestinal.

Precauções.

A femprocumona pode ser administrada durante a menstruação. Administrar com precaução em pacientes submetidos a resseção pulmonar, cirurgias ginecológica, gástrica, das vias biliares e naqueles com insuficiência cardíaca, aterosclerose, hipertensão e de hepatopatias benignas. Não devem ser aplicadas injeções intramusculares durante o tratamento com anticoagulantes, devido ao risco de hemorragia. As aplicações cutâneas são menos perigosas.

Interações.

Salicilatos, clofibrato, anestésicos locais, alguns antibióticos (cefalosporinas e cloranfenicol) e alguns anti-inflamatórios elevam a ação anticoagulante. Os barbitúricos, diuréticos, cardiotônicos, corticosteroides e estrogênios (anticoncepcionais orais) diminuem seu efeito. A administração concomitante com sulfonilureias pode aumentar o efeito de ambos os fármacos com risco de hipoglicemia. A fenilbutazona e a oxifembutazona não devem ser utilizadas em pacientes sob tratamento com este fármaco.

Contraindicações.

Hipersensibilidade à femprocumona. Não administrar em pacientes portadores de insuficiências renal e hepática, pacientes em estados hemorrágicos, úlcera gastroduodenal, endocardite maligna prolongada, fragilidade vascular aumentada (aterosclerose, hipertensão severa) ou pacientes que tenham sofrido neurocirurgia. Gravidez. Aleitamento.

Princípios ativos que interagem com Femprocumona

Medicamentos que tem Femprocumona