XANTINON® COMPLEX

TAKEDA

acetilracemetionina + betaína + colina

Hepatoprotetor.

Apresentações.

Solução oral de 40 mg/ml (acetilracemetionina) + 53 mg/ml (citrato de colina) + 50 mg/ml (betaína). Embalagens com 12 ou 60 flaconetes de 10 ml ou em frasco de 100 ml.
USO ORAL
USO ADULTO

Composição.

Cada ml da solução oral de Xantinon® Complex contém 40 mg de acetilracemetionina, 53 mg de citrato de colina e 50 mg de betaína. Excipientes: água purificada, álcool etílico, bicarbonato de sódio, sacarina sódica, essência de framboesa, essência Butter Toff, sorbitol, metilparabeno, propilparabeno, manitol, corante vermelho Ponceau 4R. A graduação alcoólica de Xantinon® Complex é de 1,54%.

Informações técnicas.

1. INDICAÇÕES
Xantinon® Complex é indicado para auxiliar (ajudar) no tratamento dos distúrbios hepáticos.

2. RESULTADOS DE EFICÁCIA
A eficácia de Xantinon® Complex baseia-se na eficácia dos seus componentes, todos muito bem estudados clinicamente e cujos resultados estão bem descritos em clássicos de farmacologia e de terapêutica. Sobre os agentes lipotrópicos básicos da fórmula existem numerosos estudos. Comprovou-se que o metabolismo e a reciclagem intracelular da metionina requerem a betaína como cofator, relatando-se a importância da betaína na síntese da metionina, principalmente em pacientes com deficência da vitamina B12 1.
A importância da SAMe (metabólito ativo da metionina) nos distúrbios hepáticos foi relatada em diversas publicações científicas 1-4 .
No tratamento da colestase induzida por doença hepática crônica, a SAMe foi significativamente superior a placebo, melhorando em 50% os escores dos sintomas (prurido, fadiga), da bilirrubina total e conjugada e da fosfatase alcalina 5. As ações da colina em indivíduos sadios e em pacientes foram apresentadas em estudos de revisão, demonstrando que este nutriente é essencial para o funcionamento normal do fígado 6,7 .
Da mesma forma, a betaína teve sua atividade avaliada em vários estudos com pacientes com esteatose hepática não alcoólica e alcoólica, confirmando que a betaína proporciona proteção hepática 8,9. Em um estudo com pacientes com esteatose hepática não alcoólica que receberam betaína por um período de 12 meses relatou-se melhora significativa nos níveis séricos das aminotransferases (AST - p < 0,02; ALT - p < 0,007), com normalização ou redução > 50% em 85% dos pacientes. Mesmo nos casos que não completaram o período de tratamento observou-se redução destas enzimas (ALT - 39%; AST -38%). Relatou-se, ainda, melhora marcante no grau de esteatose e no estágio de fibrose 10.
A eficácia de uma solução oral contendo metionina, colina e betaína foi avaliada em um estudo multicêntrico, duplo-cego e randomizado, que demonstrou o valor clínico da associação 11.
Recentemente tem-se destacado que nas doenças hepáticas, principalmente nas crônicas, ocorrem espécies reativas de oxigênio e de outros radicais livres tóxicos resultantes do estresse oxidativo que contribuem para o dano hepático em vários tipos de hepatopatias, dentre as quais a doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) e a sua forma progressiva, a esteato-hepatite não alcoólica (EHNA), a esteatopatia alcoólica, os processos hepáticos crônicos e as hepatites virais, assim como contribuem para a deterioração do processo patológico. Um estudo piloto para a avaliação da evolução do estresse oxidativo hepático em pacientes com doença hepática gordurosa não alcoólica (esteato-hepatite não alcoólica) tratados com Xantinon® Complex demonstrou no grupo tratado com o produto ativo uma redução significativa dos valores de glutationa, homocisteína e malonaldeído ao longo do tratamento, em comparação com placebo. Esses achados podem ser explicados por um aumento na atividade antioxidante hepática determinada por Xantinon® Complex que resultaria em menor lipoperoxidação hepática, comprovando a ação favorável do produto sobre o estresse oxidativo 15. Os autores concluíram que a administração de agentes lipotrópicos com atividade antioxidante, como a metionina, a colina e a betaína, desempenha um papel importante no tratamento coadjuvante de hepatopatias e de transtornos hepáticos de origem alimentar ou medicamentosa.

3. CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS
Propriedades farmacodinâmicas
Xantinon® Complex é composto por três aminoácidos - metionina, colina e betaína - importantes para o metabolismo lipídico e protéico que ocorre no fígado. Os seus componentes ativos atuam na mobilização e remoção do excesso de gorduras do hepatócito, além de fornecerem grupos metila para a síntese de colina no organismo. Possibilita-se, portanto, a formação dos componentes lipídicos das lipoproteínas plasmáticas, o que facilita o transporte de gorduras pelo fígado. Os aminoácidos presentes em Xantinon® Complex são, ainda, importantes para o metabolismo lipídico e para a síntese e manutenção das membranas celulares, além de participarem de forma relevante da defesa antioxidante intracelular hepática, uma vez que estudos 16,17 comprovaram que a repleção destes aminoácidos se opõe ao estresse oxidativo responsável pelo aumento dos produtos de perioxidação celular, de radicais livres e de danos nas membranas celulares, restaurando as funções hepáticas 16. A acetilracemetionina é uma forma de administração da metionina e apresenta as mesmas características deste aminoácido essencial 18,19. Propriedades farmacocinéticas
A metionina, uma vez absorvida, é convertida em SAMe (S-adenosilmetionina). A maior parte da metionina administrada é metabolizada no fígado, cujos tecidos têm a maior atividade específica, embora todos os tecidos possam produzir e utilizar a SAMe. A SAMe é doadora de radicais metila na maioria das reações de transmetilação. A meiavida estimada da SAMe hepática é de 2,4-5,9 minutos em condições dietéticas normais, e um adulto normal deve produzir 6-8 g de SAMe por dia 2. A metionina sofre degradação oxidativa no fígado e é eliminada pela via renal 20.
A colina é rapidamente absorvida pelo trato gastrintestinal sob forma inalterada após administração oral; uma parte é metabolizada em trimetilamina pelas bactérias intestinais. Cerca de 98% da colina do sangue e dos tecidos é seqüestrada em fosfatidilcolina, que serve como fonte de "liberação lenta" de colina. A colina passa para o fígado, onde exercerá suas funções fisiológicas. É eliminada pela via renal, sendo 1% sob forma inalterada. É compatível com outros nutrientes e, quando coadministrada, parece favorecer a absorção destes 21-24.
A betaína é um componente normal do ciclo da metionina, sendo um doador de grupos metila para as reações de transmetilação. É rapidamente absorvida e distribuída através de todo o organismo, alcançando picos de concentração em menos de uma hora. A meia-vida de eliminação foi de 14 h após administração única e de 41 h após doses repetidas por cinco dias. A betaína transforma-se em dimetilglicina (DMG) após as reações bioquímicas de doação de grupos metila. Devido ao intenso metabolismo, somente 4% da dose administrada é eliminada através dos rins 25.
Referências bibliográficas:
1. Maree KA et al. Internat J Vit Nutr Res 1989; 59:136-41. 2. Mato JM et al. Pharmacol Ther 1997; 17(3):265-80. 3. Avila MA et al. Alcohol 2002;27(3):163-7. 4. Lu SC, Tsukamoto H, Mato JM. Alcohol 2002;27(3):155-62. 5. Giudici GA et al. In: Methionine Metabolism: Molecular mechanism and clinical implications, pp. 67-79, Mato J et al (eds.) CSIC press, Madrid, 1992. 6. Canty DJ, Zeisel SH. Nutr Ver 1994; 52(10):327-39. 7. Zeisel SH. J Am Coll Nutr 1992; 11(5):473-81. 8. Miglio F et al. Arzneimittelforschung 2000; 50:722-7. 9. Barak AJ et al. Alcohol 1996; 13:395-8. 10. Abdelmalek MF et al. AJG 2001; 96(9):2711-7. 11. Strauss E et al.. Hepatology 1999; 30:436A. 12. Kim SK et al. Food Chem Toxicol 1998;36:655-661. 13. Barak AJ et al. Alcohol Clin Exp Res 1993;17:552-555. 14. Barak AJ et al. IRCMS Med Sci 1984;12:866-7. 15. Parise ER at al. Dados em arquivo. 16. Reis KAA et al. Pediatria (São Paulo) 2001;23(4):329-39. 17. Lieber CS. Rocz Akad Med Bialymst 2005;50:7-20. 18. Newberne PM et al. Cancer Res 1983; 43(suppl.):2426s-2434s.
19. Ortiz P et al. Ital J Gastroenterol 1994; 25(3):135-7. 20. Methionine. BIAM - Banque de Données Automatisée sur les Médicaments - M.S.-França -http://www.biam2.org. 21. Marcus R, Coulston AM. In. Hardman JG, Limbird LE. Goodman & Gilman's - The pharmacological basis of therapeutic. 10ª ed. McGraw-Hill Co. USA. 2001. p.1765-71. 22. Zeisel SH, Blusztajn JK. Annu Ver Nutr 1994;14:269-96. 23. Wurtman RJ et al. Lancet 1977; 2(8028):68-9. 24. Choline. BIAM - Banque de Données Automatisée sur les Médicaments - M.S.-França -http://www.biam2.org. 25. Schwahn BC et al. Br J Clin Pharmacol 2003;55:6-13.

4. CONTRAINDICAÇÕES
Hipersensibilidade aos componentes da fórmula.

5. ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES
Não há contraindicação relativa às faixas etárias.
Pacientes pediátricos: Não existem na literatura médica estudos na população infantil, portanto o medicamento não é indicado nessa faixa etária.
Pacientes idosos: Não há restrições ou recomendações especiais com relação ao uso destes produtos por pacientes idosos.
Pacientes com insuficiência hepática: O uso de metionina em pacientes com insuficiência hepática grave deve ser feito com cautela, pois pode induzir encefalopatia hepática.
Gravidez e lactação: Categoria C de risco na gravidez - Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

6. INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS
Até o momento não foram relatados casos de interação medicamentosa com o produto.
Não há restrições quanto à ingestão concomitante de alimentos ou bebidas.

7. CUIDADOS DE ARMAZENAMENTO DO MEDICAMENTO
O produto deve ser conservado à temperatura ambiente (15°C a 30°C).
Este medicamento tem validade de 24 meses a partir da data de sua fabricação.
Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.
Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original. Xantinon® Complex é um líquido límpido, de cor vermelho cereja, com odor e sabor característicos, livre de contaminação visível.
Antes de usar, observe o aspecto do medicamento.
Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

8. POSOLOGIA E MODO DE USAR
Xantinon® Complex destina-se a uso exclusivo pela via oral.
Posologia:
Flaconetes: administrar um flaconete (10 ml) três vezes ao dia, antes das principais refeições ou a critério médico.
Frasco: administrar 10 ml (duas colheres das de chá) três vezes ao dia, antes das principais refeições ou a critério médico.

9. REAÇÕES ADVERSAS
Xantinon® Complex é bem tolerado. Ainda não foram relatadas reações adversas com o uso do produto, não sendo, portanto, conhecidas sua intensidade e freqüência.
Em casos de eventos adversos, notifique o Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária -NOTIVISA, disponível em http://www8.anvisa.gov.br/notivisa/frmCadastro.asp, ou a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

10. SUPERDOSE
Não foram relatados até o momento sintomas relacionados a superdose. Considerando as características farmacológicas dos componentes do produto, é pouco provável que a eventualidade de ingestão acidental de doses muito acima das recomendadas determine efeitos adversos graves. Caso ocorram, recomenda-se adotar medidas habituais de controle das funções vitais (monitoração cardiorrespiratória, manutenção do balanço hidroeletrolítico, diurese).
Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001 se você precisar de mais orientações.

Dizeres legais.

MS - 1.0639.0276 Farm.
Esta bula foi aprovada pela ANVISA em 10/04/2017.
Siga corretamente o modo de usar; não desaparecendo os sintomas, procure orientação médica.

Princípios Ativos de Xantinon Complex

Laboratório que produce Xantinon Complex