VAC. CONTRA ROTAVÍRUS, VIVO, ORAL, PENTA

MERCK SHARP

Apresentações.

A vacina contra rotavírus, vivo, oral, pentavalente (aqui denominada vacina contra rotavírus pentavalente) é apresentada em dose única em tubos de plástico preenchidos com 2 mL, com tampa de torção e em caixas com uma dose.
USO ORAL
USO PEDIÁTRICO

Composição.

Ingredientes Ativos:
Cada dose de 2 mL contém os seguintes rearranjos de rotavírus humano-bovino: G1, G2, G3, G4 e P1A (genótipo P[8]), aqui denominado como P1[8]. Os níveis mínimos dos rearranjos são os seguintes: G1 2,2 X 106 unidades infecciosas G2 2,8 X 106 unidades infecciosas G3 2,2 X 106 unidades infecciosas G4 2,0 X 106 unidades infecciosas P1[8] 2,3 X 106 unidades infecciosas. Os rearranjos são propagados em células Vero utilizando técnicas-padrão de cultura de tecidos na ausência de agentes antifúngicos. Ingredientes Inativos: Os rearranjos são suspensos em uma solução tamponada estabilizadora. Cada dose da vacina contém sacarose, citrato de sódio, fosfato de sódio monobásico monoidratado, hidróxido de sódio, polissorbato 80, meios de cultura e traços de soro fetal bovino. A solução não contém conservantes nem timerosal. A vacina contra rotavírus pentavalente é um líquido amarelado claro que pode ter tom rosado.

Indicações.

A vacina contra rotavírus pentavalente é uma vacina oral, pentavalente, indicada para prevenção de gastroenterite por rotavírus em bebês e crianças, causada pelos sorotipos G1, G2, G3, G4 e sorotipos G que contenham P1[8] (como o G9) quando administrada em uma série de três doses para bebês entre seis e 32 semanas de idade, sendo que a primeira dose deve ser administrada entre seis e 12 semanas (veja POSOLOGIA E ADMINISTRAÇÃO).

Resultados de eficácia.

Os sorotipos de rotavírus humanos (G1, G2, G3, G4 e P1[8]) foram selecionados para a vacina contra rotavírus pentavalente porque essas cepas causaram mais de 90% dos casos da doença por rotavírus na América do Norte, Europa, e Austrália e mais de 88% dos casos de doença por rotavírus em todo o mundo entre 1973 e 2003.
Eficácia
Em dois estudos, a eficácia da vacina contra rotavírus pentavalente foi avaliada entre bebês que receberam a vacina (n= 3.484) ou placebo (n= 3.499). A terceira dose foi administrada aos bebês com até 32 semanas de idade. As avaliações de eficácia incluíram eficiência contra gastroenterite por rotavírus de qualquer gravidade (leve, moderada e grave) e contra gastroenterite grave por rotavírus. O efeito nos atendimentos médicos por gastroenterite por rotavírus, incluindo hospitalizações e comparecimentos a pronto-socorros (n= 68.038), consultas de rotina a um médico (n= 5.673) e faltas ao trabalho (n= 68.038), também foi avaliado no Estudo de Segurança e Eficácia contra Rotavírus (Rotavirus Safety e Efficacy Trial [REST]).
A vacina foi administrada em uma série de três doses a bebês saudáveis com a primeira dose administrada entre a sexta e a 12a semana de idade, seguida de duas doses adicionais administradas com intervalo de 4 a 10 semanas. A idade dos bebês que receberam a terceira dose era de 32 semanas ou menos. Não foi permitida a administração de vacina oral para pólio; no entanto, outras vacinas da infância poderiam ser administradas concomitantemente. A amamentação foi permitida em todos os estudos.
A definição de caso para gastroenterite por rotavírus utilizada para determinar a eficácia da vacina exigiu que uma criança preenchesse ambos os critérios clínicos e laboratoriais a seguir: (1) três ou mais evacuações aquosas ou mais moles do que o normal no período de 24 horas e/ou vômitos substanciais; e (2) detecção de antígeno de rotavírus por imunoensaio enzimático (EIA) em uma amostra de fezes coletada no período de 14 dias após o início dos sintomas. A gravidade da gastroenterite aguda por rotavírus foi determinada por um sistema de pontuação clínica que levou em consideração a intensidade e a duração dos sintomas de febre, vômitos, diarréia e alterações comportamentais.
As análises primárias de eficácia incluíram casos de gastroenterite por rotavírus causada pelos sorotipos G1, G2, G3 e G4 que ocorreram, pelo menos, 14 dias após a terceira dose até a primeira estação de rotavírus pós-vacinação.
Também foram realizadas análises para avaliar a eficácia da vacina contra rotavírus pentavalente contra a gastroenterite por rotavírus, causada pelos sorotipos G1, G2, G3 e G4 a qualquer momento após a primeira dose até a primeira estação de rotavírus pós-vacinação entre bebês que receberam pelo menos uma dose da vacina (Intenção-de-tratamento, ITT).
Estudo de segurança e eficácia do rotavírus
A eficácia primária contra qualquer gastroenterite por rotavírus, de qualquer grau, - causada pelos sorotipos G1, G2, G3 ou G4 de ocorrência natural até a primeira estação de rotavírus após a vacinação - foi de 74,0% (IC 95%: 66,8; 79,9) e a eficácia ITT foi de 60,0% (IC 95%: 51,5; 67,1). A eficácia primária contra a gastroenterite grave por rotavírus causada pelos sorotipos G1, G2, G3 ou G4 de ocorrência natural até a primeira estação de rotavírus após a vacinação foi de 98,0% (IC 95%: 88,3; 100,0), e a eficácia ITT foi de 96,4%, (IC 95%: 86,4; 99,6). Veja Tabela 1.

* Gastroenterite grave definida por um sistema de pontuação clínica com base na intensidade e duração dos sintomas de febre, vômitos, diaréoa e alterações comportamentais
A análise ITT inclui todas as crianças da coorte de eficácia que receberam pelo menos uma dose da vacina.
A eficácia da vacina contra rotavírus pentavalente contra a doença grave também foi demonstrada por uma redução de hospitalizações em decorrência de gastroenterite por rotavírus entre todas as crianças incluídas no REST. A vacina contra rotavírus pentavalente reduziu as hospitalizações em decorrência de gastroenterite por rotavírus causada pelos sorotipos G1, G2, G3 e G4 até os primeiros dois anos após a terceira dose em 95,8% (IC 95%: 90,5; 98,2). A eficácia ITT na redução das hospitalizações foi de 94,7% (IC 95%: 89,3; 97,3) conforme mostrado na Tabela 2.

* A análise ITT inclui todas as crianças que receberam pelo menos uma dose da vacina.
A vacina contra rotavírus pentavalente reduziu a taxa de hospitalizações, atendimentos em pronto- socorros, atendimentos sem emergência e perdas de dias de trabalho pelos pais/tutores da criança.
As hospitalizações e atendimentos em pronto-socorros foram avaliados entre 68.038 bebês e os atendimentos sem emergência foram avaliados entre 5.673 bebês por um período máximo de dois anos após a vacinação. As taxas de redução foram as seguintes:
- 94,5% para hospitalizações e atendimentos em pronto-socorros
- 95,8% para hospitalizações
- 93,7% para atendimentos em pronto-socorros
- 86,0% para atendimentos sem emergência
- 86,6% para perdas de dias de trabalho pelos pais/tutores legais
Estudo 007
A eficácia primária contra a gastroenterite por rotavírus de qualquer grau causada pelos sorotipos G1, G2, G3 ou G4 de ocorrência natural até a primeira estação de rotavírus após a vacinação foi de 72,5% (IC 95%: 50,6; 85,6) e a eficácia ITT foi de 58,4% (IC 95%: 33,8; 74,5). A eficácia primária contra a gastroenterite grave por rotavírus causada pelos sorotipos G1, G2, G3, ou G4 de ocorrência natural até a primeira estação de rotavírus após a vacinação foi de 100% (IC 95%: 13,0; 100,0) e a eficácia ITT contra a doença grave por rotavírus foi de 100%, (IC 95%: 30,9; 100,0) conforme mostrado na Tabela 3.

*Gastroenterite grave definida por um sistema de pontuação clpinica com base na intensidade e duração dos sintomas de febre, vômitos, diarréia e alteração comportamental
A análise ITT inclui todas as crianças da coorte de eficácia que receberam pelo menos uma dose da vacina.
Múltiplas estações de rotavírus
A eficácia da vacina contra rotavírus pentavalente até a segunda estação de rotavírus foi avaliada em um único estudo (REST). A eficácia contra qualquer gastroenterite por rotavírus, de qualquer grau, causada pelos sorotipos de rotavírus G1, G2, G3 e G4 até duas estações de rotavírus após a vacinação foi de 71,3% (IC 95%: 64,7; 76,9). A eficácia da vacina contra rotavírus pentavalente na prevenção de casos que ocorreram apenas durante a segunda estação de rotavírus pós-vacinação foi de 62,6% (IC 95%: 44,3; 75,4). A eficácia da vacina contra rotavírus pentavalente além da segunda estação pós-vacinação não foi avaliada.
Gastroenterite por rotavírus independente do sorotipo
Os sorotipos de rotavírus identificados no subgrupo de eficácia do REST e do estudo 007 foram G1, P1[8]; G2, P1[4]; G3, P1[8]; G4, P1[8]; e G9, P1[8]. No REST, a eficácia da vacina contra rotavírus pentavalente contra qualquer gastroenterite por rotavírus, de qualquer grau, de ocorrência natural, independentemente do sorotipo foi de 71,8% (IC 95%: 64,5; 77,8) e a eficácia contra a doença grave por rotavírus foi de 98,0% (IC 95%: 88,3; 99,9). A eficácia ITT a partir da dose 1 foi de 51,0% (IC 95%: 41,7; 58,9) para qualquer doença por rotavírus de qualquer gravidade e foi de 96,4% (IC 95%: 86,4; 99,6) para doença grave por rotavírus. No estudo 007, a eficácia primária da vacina contra rotavírus pentavalente contra qualquer gastroenterite por rotavírus, de qualquer gravidade, independentemente do sorotipo, foi de 72,7% (IC 95%: 51,9; 85,4) e a eficácia contra a doença grave por rotavírus foi de 100% (IC 95%: 12,7; 100). A eficácia ITT a partir da dose 1 foi de 48,0% (IC 95%: 21,6; 66,1) para qualquer doença por rotavírus de qualquer gravidade e foi de 100% (IC 95%: 31,0; 100,0) para doença grave por rotavírus.
Gastroenterite por sorotipo de rotavírus
A eficácia da vacina contra rotavírus pentavalente contra a gastroenterite por rotavírus ao longo da primeira estação completa de rotavírus após o término da vacinação e redução do número de hospitalizações/visitas a pronto-socorros devido a gastroenterite por rotavírus por até 2 anos pósvacinação por sorotipo G é mostrada na Tabela 4.

* n= Número de Vacinados
Estatisticamente SignificativoEficácia e segurança em bebês prematuros
A vacina contra rotavírus pentavalente ou placebo foram administrados a 2.070 bebês prematuros (25 a 36 semanas de idade gestacional), incluindo 1.007 receptores da vacina contra rotavírus pentavalente, de acordo com sua idade cronológica, em um estudo controlado por placebo. Entre um subgrupo de 308 bebês prematuros acompanhados para todas as reações adversas, o perfil de segurança foi geralmente semelhante entre os bebês que receberam a vacina contra rotavírus pentavalente em comparação com os que receberam o placebo. A incidência de febre, vômitos, diarréia ou irritabilidade foi geralmente semelhante entre os receptores de vacina e os receptores de placebo. A eficácia (70,3%) em um subgrupo de 204 bebês prematuros (153 avaliáveis) foi geralmente semelhante à eficácia na população global.
Estudos com outras vacinas
Foram avaliadas as imunogenicidades da vacina contra rotavírus pentavalente e da vacina tríplice bacteriana acelular (DTaP), da vacina de poliovírus inativado (IPV), vacina conjugada de Haemophilus influenzae tipo b (HIB), vacina contra a hepatite B e vacina pneumocócica conjugada em 1.358 bebês. As respostas imunológicas às vacinas especificadas não foram amplamente afetadas pela vacina contra rotavírus pentavalente. Dos 17 antígenos estudados, as respostas de anticorpos foram semelhantes entre os receptores da vacina e de placebo com exceção de uma resposta discretamente diminuída a um de três antígenos testados para coqueluche (pertactina). Além disso, os estudos demonstraram a eficácia da vacina contra rotavírus pentavalente (89,5%) quando administrada com estas vacinas.
A administração concomitante da vacina contra rotavírus pentavalente com a vacina oral contra o pólio (OPV) não afetou a resposta imunológica aos antígenos da pólio em um estudo controlado que envolveu 735 bebês vacinados. Embora a administração concomitante da OPV tenha reduzido algumas respostas imunológicas à vacina contra rotavírus pentavalente, as taxas de soroconversão (elevação ≥ 3 vezes em relação ao período basal) para IgA sérica foram > 93%. Houve uma evidência de manutenção de um alto nível de eficácia contra a gastroenterite por rotavírus grave. As respostas imunológicas à vacina contra rotavírus pentavalente não são afetadas quando a OPV é administrada duas semanas após a vacina contra rotavírus pentavalente.
O perfil de segurança - incluindo a incidência de febre, vômitos, diarréia e irritabilidade - foi geralmente semelhante entre as crianças que receberam as vacinas concomitantes especificadas com a vacina contra rotavírus pentavalente e as crianças que receberam as vacinas concomitantes especificadas com placebo.
Em um estudo, 7.367 bebês receberam uma vacina hexavalente (DTaP, IPV, HIB e hepatite B) concomitantemente com a vacina contra rotavírus pentavalente. A freqüência de reações adversas graves globais (EAGs), independentemente da relação causal, foi de 2,9% nos receptores da vacina contra rotavírus pentavalente e de 3,2% nos receptores de placebo. Informações de segurança mais detalhadas foram avaliadas entre um subgrupo de 638 bebês que receberam a vacina contra rotavírus pentavalente com uma vacina hexavalente. O perfil de segurança, incluindo a incidência de febre, vômitos, diarréia, e irritabilidade foi geralmente semelhante entre as crianças que receberam uma vacina hexavalente com a vacina contra rotavírus pentavalente e as crianças que receberam uma vacina hexavalente com placebo.
Imunogenicidade
O mecanismo imunológico pelo qual a vacina contra rotavírus pentavalente protege contra a gastroenterite por rotavírus é desconhecido. Uma relação entre as respostas de anticorpos à vacina contra rotavírus pentavalente e a proteção contra gastroenterite por rotavírus ainda não foi estabelecida. No entanto, a vacina contra rotavírus pentavalente induz anticorpos que neutralizam os sorotipos G1, G2, G3, G4 e P1[8]. Nos estudos Fase III, 92,9% a 100% dos receptores da vacina contra rotavírus pentavalente obtiveram uma elevação significativa de anti-rotavírus IgA sérico após um esquema de três doses.

Caract. farmacológicas.

O rotavírus é a principal causa de gastroenterite aguda grave em bebês e crianças pequenas de países industrializados e em desenvolvimento. A gastroenterite por rotavírus é uma doença universal que afeta mais de 95% dos bebês e das crianças pequenas por volta dos 5 anos de idade, independentemente de status socioeconômico ou de condições ambientais. Estima-se que em todo o mundo, 138 milhões de crianças desenvolvam gastroenterite por rotavírus a cada ano, resultando em 25 milhões de consultas clínicas, 2,1 milhões de hospitalizações e 352 mil a 592 mil óbitos. Nos EUA, estima-se que 3,5 milhões de crianças desenvolvam gastroenterite por rotavírus a cada ano, resultando em 500 mil consultas médicas, 55 mil hospitalizações e 20 a 102 óbitos. Nos EUA, uma de cada 8 crianças irá procurar atendimento médico e uma de cada 73 crianças será hospitalizada em razão de gastroenterite por rotavírus por volta dos 5 anos de idade. A mais alta proporção de hospitalizações ocorre entre bebês e crianças pequenas de 6 a 24 meses de idade. Se não tratada, ou sem administração imediata oral ou intravenosa de líquidos, a gastroenterite por rotavírus pode causar desidratação fatal.
A gastroenterite por rotavírus é uma doença sazonal de climas temperados com epidemias que ocorrem nos meses de inverno. A gastroenterite por rotavírus é geralmente endêmica em regiões de clima tropical e subtropical. O rotavírus é responsável por aproximadamente 28% a 71% de todas as hospitalizações em razão de diarréia em todo o mundo, independentemente da região geográfica e da estação do ano. A vacina contra rotavírus pentavalente é uma vacina de vírus vivo que se replica no intestino delgado e induz à imunidade.
Mecanismo de Ação
A proteção contra a infecção natural pelo rotavírus é amplamente sorotipo-específica. Os sorotipos humanos de rotavírus (G1, G2, G3, G4 e P1[8]) foram selecionados para a vacina contra rotavírus pentavalente porque essas cepas causaram quase 90% da doença por rotavírus nos EUA entre 1996-1999 e mais de 88% da doença por rotavírus em todo o mundo entre 1973 e 2003. O mecanismo imunológico exato pelo qual a vacina contra rotavírus pentavalente protege contra gastroenterite por rotavírus é desconhecido. Estudos sugerem que uma combinação de fatores é importante na imunidade ao rotavírus, incluindo anticorpos neutralizantes das proteínas G do capsídeo externo, IgA sérica e secretória e outras respostas mucosas locais (veja RESULTADOS DE EFICÁCIA, Imunogenicidade).

Contraindicações.

Hipersensibilidade a qualquer componente da vacina.
Os indivíduos que desenvolvem sintomas sugestivos de hipersensibilidade após receberem uma dose da vacina contra rotavírus pentavalente não devem receber as outras doses dessa vacina.

Advertências e precauções.

Não há informação relevante disponível.
PRECAUÇÕES
Nenhum dado de segurança ou eficácia está disponível para administração da vacina contra rotavírus pentavalente a crianças potencialmente imunocomprometidas, incluindo:
- crianças com discrasias sangüíneas, leucemia, linfomas de qualquer tipo, ou outras neoplasias malignas que afetem a medula óssea ou o sistema linfático;
- bebês que recebem terapia imunossupressora (incluindo altas doses de corticosteróides sistêmicos). A vacina contra rotavírus pentavalente pode ser administrada a bebês que estejam sendo tratados com corticosteróides tópicos ou esteróides inalatórios;
- bebês com estados de imunodeficiência primária e adquirida, incluindo HIV/AIDS ou outras manifestações clínicas de infecção com vírus da imunodeficiência humana; deficiências imunológicas celulares; e estados hipogamaglobulinêmicos e disgamaglobulinêmicos. Não existem dados suficientes de estudos clínicos para dar suporte à administração da vacina contra rotavírus pentavalente a bebês com status indeterminado de HIV nascidos de mães com HIV/AIDS;
- bebês que tenham recebido transfusão de sangue ou hemoderivados, incluindo imunoglobulinas no período de 42 dias.
Não foi observado nenhum resquício das cepas da vacina nas fezes em um pequeno subgrupo de bebês com condições clínicas graves (por exemplo, fibrose cística, retardo de crescimento e desenvolvimento, câncer, doença cardíaca congênita e neutropenia) diagnosticadas após a entrada no estudo. Os profissionais de saúde podem desejar considerar esses dados ao avaliar os benefícios e potenciais riscos da administração da vacina contra rotavírus pentavalente a bebês com condições clínicas graves, tendo em mente que quase todas as crianças são infectadas pelo rotavírus de ocorrência natural por volta dos 5 anos de idade.
Nos estudos clínicos, a vacina contra rotavírus pentavalente não foi administrada a bebês que tivessem familiares com imunodeficiência. Nesses estudos, foram encontrados resquícios da vacina contra rotavírus pentavalente nas fezes de 8,9% [95% CI (6,2%, 12,3%)] das crianças vacinadas quase exclusivamente na semana subseqüente à primeira dose (0,3%) e em apenas uma criança vacinada após a terceira dose. Em estudos fase III, resquícios foram observados logo no primeiro dia e 15 dias após a dose. Existe um risco teórico de que a vacina de vírus vivo possa ser transmitida a pessoas não vacinadas que entrem em contato com as que foram vacinadas. Portanto, a vacina contra rotavírus pentavalente deve ser administrada com cautela a crianças que tenham contato próximo com pessoas com imunodeficiência como:
- indivíduos com malignidades ou que estejam imunocomprometidos por outra causa; ou
- indivíduos recebendo terapia imunossupressora.
No entanto, como quase todas as crianças são infectadas naturalmente pelo rotavírus por volta dos cinco anos de idade, a vacinação de bebês pode diminuir o risco de exposição de pessoas imunodeficientes que entrem em contato com o rotavírus de ocorrência natural. O profissional de saúde deve determinar os riscos e benefícios potenciais da administração da vacina contra rotavírus pentavalente a bebês que tenham contato próximo com pessoas imunodeficientes.
Não há dados de eficácia ou segurança disponíveis para administração da vacina contra rotavírus pentavalente em bebês com histórico de distúrbio gastrintestinal, incluindo bebês que apresentem doença gastrintestinal ativa, diarréia crônica e retardo no crescimento e bebês com distúrbio abdominal congênito, cirurgia abdominal e intussuscepção. A administração da vacina contra rotavírus pentavalente pode ser considerada com cautela em bebês nestas condições.
Qualquer infecção aguda ou doença febril pode ser motivo para atraso no uso da vacina contra rotavírus pentavalente exceto quando, na opinião do médico, a não administração da vacina represente maior risco. Febre baixa por si só e infecção leve do trato respiratório superior não são contra-indicações à vacinação com a vacina contra rotavírus pentavalente.
Assim como qualquer vacina, a vacinação com a vacina contra rotavírus pentavalente pode não resultar em total proteção para todos os vacinados.
O nível de proteção obtido por apenas uma ou duas doses da vacina contra rotavírus pentavalente não foi avaliado nos estudos clínicos. Nenhum dado clínico está disponível para a vacina contra rotavírus pentavalente quando administrada após a exposição ao rotavírus.
Gravidez
A vacina contra rotavírus pentavalente é uma vacina pediátrica e não é indicada para uso em adultos. Não foram conduzidos estudos adequados e bem controlados em mulheres ou animais.
Categoria de Risco: C
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas.
Nutrizes
A vacina contra rotavírus pentavalente é uma vacina pediátrica e não está indicada para uso em adultos. Não estão disponíveis informações sobre a segurança da vacina quando administrada durante a lactação.
USO EM IDOSOS, CRIANÇAS E OUTROS GRUPOS DE RISCO
Uso Pediátrico
A vacina contra rotavírus pentavalente demonstrou ser geralmente bem tolerada e altamente eficaz na prevenção de gastroenterite por rotavírus quando administrada a bebês com seis a 32 semanas de idade (veja POSOLOGIA E ADMINISTRAÇÃO).
A segurança e a eficácia ainda não foram estabelecidas em bebês com menos de 6 semanas de idade ou com mais de 32 semanas de idade.

Interações medicamentosas.

Não há relatos de interações medicamentosas conhecidas (veja POSOLOGIA E ADMINISTRAÇÃO, Uso Com Outras Vacinas).
Terapias imunossupressoras, incluindo radioterapia, antimetabólitos, agentes alquilantes, medicamentos citotóxicos e corticosteróides (utilizados em doses mais altas que as fisiológicas), podem reduzir a resposta imunológica a vacinas.

Cuidados de armazenamento.

Armazenar sob refrigeração entre 2°C e 8°C. Proteger da luz.
O produto deve ser utilizado antes do término do prazo de validade. O prazo de validade desta vacina é de 24 meses a partir da data de fabricação.
A vacina contra rotavírus pentavalente deve ser administrada o mais rapidamente possível após ser retirada de refrigeração. A vacina deve ser descartada em depósitos de resíduos biológicos aprovados de acordo com as regulamentações locais.
Não use este medicamento após a data de validade impressa na embalagem. TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Posologia e modo de usar.

APENAS PARA USO ORAL.
NÃO DEVE SER ADMINISTRADA POR VIA INJETÁVEL.
Posologia
A série de vacinação consiste de três doses líquidas da vacina contra rotavírus pentavalente prontas para administração por via oral a bebês.
A primeira dose da vacina contra rotavírus pentavalente deve ser administrada com seis a 12 semanas de idade; as doses subseqüentes devem ser administradas com intervalo mínimo de quatro semanas entre cada dose.
Não existem restrições sobre o consumo de alimentos ou líquidos para os bebês, incluindo leite materno, tanto antes como depois da vacinação com a vacina contra rotavírus pentavalente.
A vacina contra rotavírus pentavalente pode ser administrada a bebês prematuros, de acordo com a idade cronológica deles.
Se por qualquer motivo for administrada uma dose incompleta (por exemplo, o bebê cuspir ou regurgitar a vacina), não se recomenda uma dose de reposição, uma vez que essa administração não foi avaliada nos estudos clínicos. O bebê deve continuar recebendo as doses remanescentes na série recomendada.
A vacina deve ser administrada por via oral sem ser misturada a outras vacinas ou soluções. Não reconstituir nem diluir.
Cada dose é acondicionada em um recipiente que consiste de um tubo plástico flexível de administração isento de látex com uma tampa de torção, possibilitando a administração oral direta. O tubo de administração é acondicionado em um sachê.
Para administrar a vacina:

Rasgar o sachê e retirar o tubo de administração.

Retirar o líquido da vacina da ponteira do tubo segurando-se o tubo na posição vertical e batendo levemente na tampa para que o líquido desça para o corpo do tubo.

Abrir o tubo de administração com 2 movimentos fáceis:
1. Puncionar a ponteira de dispensação girando a tampa no sentido horário até que esteja firmemente apertada.

2. Retirar a tampa girando-a no sentido anti-horário.

Administrar a dose esguichando suavemente o líquido na boca do bebê contra a bochecha interna até esvaziar o tubo. (Uma gota residual pode sobrar na ponteira do tubo.)
Jogar fora o tubo vazio e a tampa em depósitos de resíduos biológicos aprovados de acordo com as regulamentações locais.
Uso com outras vacinas
A vacina contra rotavírus pentavalente pode ser administrada com a vacina tríplice acelular (DTaP), vacina inativada ou poliovírus oral (IPV ou OPV), vacina conjugada contra Haemophilus influenzae tipo b, vacina contra hepatite B, vacina conjugada pneumocócica e com vacinas hexavalentes.
A administração concomitante da vacina contra rotavírus pentavalente com a vacina oral contra o pólio (OPV) não afetou a resposta imunológica aos antígenos. Embora a administração concomitante da OPV tenha reduzido algumas respostas imunológicas à vacina de rotavírus, houve uma evidência de manutenção de um alto nível de eficácia contra a gastroenterite por rotavírus grave. As respostas imunológicas à vacina contra rotavírus pentavalente não são afetadas quando a OPV é administrada duas semanas após a vacina contra rotavírus pentavalente.
Não houve evidências de respostas reduzidas de anticorpos aos componentes de difteria ou de toxóide de tétano da vacina DTaP ou a outras vacinas que foram administradas concomitantemente com a vacina contra rotavírus pentavalente. No entanto, não estão disponíveis dados suficientes de imunogenicidade para confirmar a ausência de interferência das respostas imunes quando a vacina contra rotavírus pentavalente é administrada concomitantemente com vacinas pediátricas para prevenção da coqueluche.

Reações adversas.

Foram avaliados 71.725 bebês em três estudos clínicos controlados por placebo, incluindo 36.165 bebês que receberam a vacina contra rotavírus pentavalente e 35.560 bebês que receberam placebo. Os pais/tutores foram contatados 7,14 e 42 dias após cada dose quanto à intussuscepção e quaisquer outras reações adversas graves.
Como os estudos clínicos são conduzidos em condições que podem não ser típicas como as observadas na prática clínica, as taxas de reações adversas apresentadas abaixo podem não refletir as observadas na prática clínica.
A vacina é geralmente bem tolerada.
Reações Adversas Graves
As reações adversas graves ocorreram em 2,4% dos receptores da vacina contra rotavírus pentavalente em comparação com 2,6% dos receptores de placebo, no período de 42 dias após uma dose em estudos clínicos de fase III da vacina contra rotavírus pentavalente. As reações adversas graves mais freqüentemente relatadas para a vacina contra rotavírus pentavalente em comparação com o placebo foram:
bronquiolite (0,6% vacina contra rotavírus pentavalente vs. 0,7% placebo),
gastroenterite (0,2% vacina contra rotavírus pentavalente vs. 0,3% placebo),
pneumonia (0,2% vacina contra rotavírus pentavalente vs. 0,2% placebo),
febre (0,1% vacina contra rotavírus pentavalente vs. 0,1% placebo), e
infecção do trato urinário (0,1% vacina contra rotavírus pentavalente vs. 0,1% placebo).
Óbitos
Em todos os estudos clínicos, foram relatados 52 óbitos. Houve 25 óbitos entre os receptores da vacina contra rotavírus pentavalente em comparação com 27 óbitos entre os receptores do placebo. A causa mais comumente relatada de óbito foi síndrome de morte súbita do lactente (SMSL), observada em oito receptores da vacina contra rotavírus pentavalente e em nove receptores de placebo.
Intussuscepção
No REST, 34.837 receptores da vacina e 34.788 receptores de placebo foram monitorados por farmacovigilância ativa para identificar os casos potenciais de intussuscepção em 7, 14, e 42 dias após cada dose e a cada seis semanas subseqüentemente por um ano após a primeira dose. Para o desfecho primário de segurança, os casos de intussucepção que ocorreram no período de 42 dias após qualquer dose, houve seis casos entre os receptores da vacina contra rotavírus pentavalente e cinco casos entre os receptores de placebo (veja Tabela 5). Os dados não sugeriram risco aumentado de intussuscepção em relação ao placebo.

† Risco relativo e intervalo de confiança 95% com base no desenho de grupo sequencial de critérios de interrupção empregados no REST.
Entre os receptores da vacina, não houve casos confirmados de intussuscepção em um período de 42 dias após a primeira dose, que foi o período de mais alto risco para o produto à base de rotavírus
rhesus (veja Tabela 6).
A doença de Kawasaki foi relatada em estudos clínicos de fase III, em < 0.1% (5/36, 150) no grupo que recebeu a vacina e em < 0,1% (1/35, 536) no grupo que recebeu placebo, no período de 42 dias após qualquer dose (não estatisticamente significante).

Todas as crianças que desenvolveram intussuscepção se recuperaram sem seqüelas, com exceção de uma criança do sexo masculino de nove meses de idade que desenvolveu intussuscepção 98 dias após a dose 3 e morreu de sepse pós-operatória. Houve um único caso de intussuscepção entre 2.470 receptores da vacina contra rotavírus pentavalente em uma criança do sexo masculino de sete meses de idade nos estudos de fase I e II (716 receptores de placebo).
Convulsões
Todas as convulsões relatadas nos estudos de fase III da vacina contra rotavírus pentavalente (por grupo de vacinação e intervalo após a dose) são apresentadas na Tabela 7.

As convulsões relatadas como reações adversas graves ocorreram em < 0,1% (27/36.150) dos receptores da vacina e < 0,1% (18/35.536) dos receptores de placebo (não significativo). Dez convulsões febris foram relatadas como reações adversas graves, cinco foram observadas em receptores da vacina e cinco em receptores do placebo.
Reações adversas mais comuns
Reações adversas solicitadas
Foram coletadas informações de segurança detalhadas de 11.711 bebês (6.138 receptores da vacina contra rotavírus pentavalente) os quais incluíram um subgrupo de crianças do REST e todas as crianças dos estudos 007 e 009 (coorte de segurança detalhada). Um cartão de registro de vacinação foi utilizado por pais/tutores para registrar a temperatura da criança e quaisquer episódios de diarréia e vômitos diariamente durante a primeira semana após cada vacinação. A Tabela 8 resume as freqüências dessas reações adversas e de irritabilidade.

* Temperatura ≥100.5°F [38,1°C] equivalente retal obtida pela adição de 1 grau F às temperaturas óticas e orais e 2 graus F às temperaturas axilares
Outras reações adversas
Também foi solicitado aos pais/tutores dos 11.711 bebês que relatassem a presença de outras reações no cartão de registro de vacinação por 42 dias após cada dose. Foi observada febre em taxas semelhantes entre os receptores da vacina (n= 6.138) e de placebo (n= 5.573) (42,6% versus. 42,8%). As reações adversas que ocorreram com incidência estatisticamente mais alta (isto é, valor de p bicaudal < 0,05) no período de 42 dias após qualquer dose entre os receptores da vacina contra rotavírus pentavalente em comparação com os receptores do placebo são apresentados na Tabela 9.

Relatos pós-comercialização:
As seguintes reações adversas foram relatadas espontaneamente após aprovação da vacina contra rotavírus pentavalente. Pelo fato dessas reações terem sido relatadas voluntariamente por uma população de tamanho desconhecido, não é possível fazer uma estimativa fidedigna da freqüência dessas reações ou estabelecer relação causal à exposição da vacina.
Distúrbios da pele e tecido subcutâneo: urticária.

Superdose.

Não há dados disponíveis sobre superdosagem.

Dizeres legais.

Registro MS - 1.0029.0175
"VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA"

Patologias de Vac. Contra RotavÍrus, Vivo,oral,penta

Laboratório que produce Vac. Contra RotavÍrus, Vivo,oral,penta