NOVOLIN® R

NOVO NORDISK

insulina

Antidiabético.

Apresentações.

Solução injetável de insulina humana DNA recombinante. Para injeção subcutânea, intramuscular ou intravenosa.
A embalagem de Novolin® R contém:
-1 frasco-ampola de 10 mL com 100 UI/mL.
USO PEDIÁTRICO OU ADULTO

Composição.

Cada mL contém: insulina humana (DNA recombinante) 100 UI Excipientes: cloreto de zinco, glicerol, metacresol, hidróxido de sódio, ácido clorídrico, água para injeção.

Indicações.

Tratamento do diabetes mellitus.
Novolin® R é indicado para a estabilização inicial do diabetes, especialmente para emergências diabéticas.

Resultados de eficácia.

Foram realizados estudos clínicos controlados em aproximadamente dois mil pacientes comparando a insulina asparte (NovoRapid®) com a insulina humana de ação rápida (Novolin® R). Tanto a insulina asparte quanto a insulina humana de ação rápida apresentaram uma melhora no controle glicêmico de pacientes portadores de diabetes do tipo 1 e tipo 2, quando avaliado pela HbA1c (hemoglobina glicada) após 6 meses de tratamento.1,2,3.
Referências
1. Home, P.D., Lindholm A., Riis A.P.. Improved long-term blood glucose control with insulin aspart versus human insulin in people with type 1 diabetes. American Diabetes Association Annual Scientific Sessions, 59, v. 48, supl. 1, p. abstract 1567, 1999.
2. Raskin, P., Guthrie R.A., Leiter L., Rus A.. Use of insulin aspart, a fast-acting insulin analog, as the mealtime insulin in the management of patients with type 1 diabetes. Diabetes Care, v. 23, n. 5, p. 583-8, 2000.
3. Raskin, P., Mcgill J., Kilo C., Boss A. H.. Human insulin analog (insulin aspart, IAsp) is comparable to human insulin (HI) in type 2 diabetes. American Diabetes Association Annual Scientific Sessions, 59, v. 48, supl. 1, p. abstract 1554, 1999.

Caract. farmacológicas.

Propriedades farmacodinâmicas
A insulina humana é produzida biossinteticamente pela tecnologia de DNA recombinante.
O efeito da insulina sobre a diminuição da glicose sangüínea é devido à absorção facilitada de glicose, seguindo-se de uma ligação da insulina aos receptores nos músculos e nas células gordurosas e da simultânea inibição da produção de glicose do fígado.
Propriedades farmacocinéticas
A insulina na corrente sangüínea tem uma meia-vida de poucos minutos. Conseqüentemente, o perfil do tempo de ação de uma preparação de insulina é determinado somente por suas características de absorção. Este processo é influenciado por vários fatores (por exemplo, dose de insulina, via e local de administração), razão pela qual são observadas variações intra e inter pacientes.
Um perfil médio de ação de Novolin® R indica que o início de ação ocorre em aproximadamente ½ hora após a administração subcutânea, atinge o pico entre 1 e 3 horas após a administração e tem uma duração de aproximadamente 8 horas.

Contraindicações.

A insulina não deve ser administrada no caso de hipoglicemia ou de hipersensibilidade à insulina humana ou a qualquer um dos excipientes da fórmula.

Advertências e precauções.

Os frascos de insulina têm uma tampa protetora de plástico colorido, que deve ser removida antes da insulina ser retirada. O paciente deve ser orientado para devolver o frasco à farmácia, caso esta tampa protetora tenha sido violada.
A dosagem inadequada ou a descontinuação do tratamento com insulina, especialmente em diabetes do tipo 1, pode levar à ocorrência de hiperglicemia, evoluindo até cetoacidose diabética.
Geralmente os primeiros sintomas de hiperglicemia aparecem gradativamente dentro de um período de horas ou dias. Estes sintomas incluem: sede, aumento da freqüência urinária, náusea, vômito, sonolência, pele seca e rubor, boca seca, inapetência, bem como hálito cetônico.
No diabetes do tipo 1, eventos não tratados de hiperglicemia eventualmente levam à cetoacidose diabética, que é potencialmente letal.
Doenças concomitantes, especialmente infecções e condições febris, geralmente aumentam as necessidades de insulina do paciente.
Insuficiência hepática ou renal pode reduzir as necessidades de insulina do paciente.
O ajuste de dosagem pode também ser necessário se o paciente aumentar suas atividades físicas ou alterar sua dieta usual.
A transferência de um paciente para outro tipo ou marca de insulina deve ser feito sob estrita supervisão médica. Mudanças na concentração, marca (fabricante), tipo (insulina de ação rápida, insulina de ação intermediária, insulina de ação prolongada, etc), espécies (animal, humana ou análogo à insulina humana) e/ou método de fabricação (insulina de origem animal versus DNA recombinante), podem resultar em alteração de dosagem.
Pacientes que mudaram para Novolin® R podem necessitar de um ajuste da dose usada com suas insulinas anteriores.
Caso seja necessário fazer um ajuste de dosagem, ele pode ocorrer na primeira dose ou durante as primeiras semanas ou meses.
Alguns pacientes que tiveram reações hipoglicêmicas após a transferência de insulina de origem animal para insulina humana relataram que o aparecimento dos primeiros sintomas de hipoglicemia tornaram-se menos pronunciados ou diferentes daqueles observados com a insulina usada anteriormente.
Pacientes cujo controle glicêmico encontra-se melhorado, por exemplo, por terapia insulínica intensificada, podem apresentar uma alteração em seus sintomas de alerta de hipoglicemia e devem ser tratados de acordo.
Devido ao risco de precipitação em alguns cateteres, Novolin® R não deve ser usado em sistemas de bombas para infusão de insulina subcutânea contínua (CSII).
Em termos gerais a insulina somente deve ser adicionada a compostos com os quais é conhecida a sua compatibilidade. Drogas adicionadas à solução de insulina podem causar sua degradação, como, por exemplo, drogas contendo tióis ou sulfitos. Portanto, recomenda-se não misturar insulina com outras drogas. Após a mistura de Novolin® R com os fluidos de infusão, certa quantidade de insulina poderá ser absorvida pelo material de infusão. Portanto, recomenda-se monitorar os níveis sangüíneos de glicose durante a infusão.
Combinação de tiazolidinedionas e insulinas: casos de insuficiência cardíaca congestiva foram relatados quando tiazolidinedionas foram usadas em combinação com insulina, especialmente em pacientes com fatores de risco para o desenvolvimento da insuficiência cardíaca congestiva. Deve-se ter isto em mente se o tratamento combinado de tiazolidinediona e insulinas for considerado. Se a combinação for utilizada, os pacientes devem ser observados quanto aos sinais e sintomas de insuficiência cardíaca congestiva, ganho de peso e edema. Tiazolidinedionas devem ser discontinuadas se ocorrer piora dos sintomas cardíacos.
Gravidez e lactação
Não há restrições no tratamento do diabetes com insulina durante a gravidez, uma vez que a insulina não atravessa a barreira placentária. Entretanto, recomenda-se o controle rigoroso dos níveis de glicose sangüínea em mulheres diabéticas grávidas ou com intenção de engravidar. As necessidades de insulina normalmente diminuem durante o primeiro trimestre de gravidez, e subseqüentemente aumentam durante o segundo e terceiro trimestres.
Após o parto as necessidades de insulina rapidamente retornam aos valores pré-gravidez.
Não há restrições ao tratamento do diabetes com insulina durante a lactação, uma vez que não envolve riscos para o bebê. Entretanto, pode ser necessário reduzir a dose de insulina.
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez.
Efeitos sobre a capacidade de dirigir ou operar máquinas
As habilidades do paciente para concentrar-se e reagir podem ser prejudicadas como resultado da hipoglicemia, isto é, podem constituir um risco em situações nas quais estas habilidades sejam de especial importância (por exemplo, dirigindo um carro ou operando máquinas).
Os pacientes devem ser aconselhados a tomar precauções para evitar hipoglicemia enquanto dirigem. Isto é particularmente importante para aqueles pacientes que tem sinais de alerta de hipoglicemia reduzidos ou ausentes, ou tem episódios freqüentes de hipoglicemia. A conveniência de dirigir deve ser considerada nestas circunstâncias.

Interações medicamentosas.

Várias drogas são conhecidas por interagir com o metabolismo da glicose. Portanto, estas possíveis interações devem ser consideradas pelo médico.
As seguintes substâncias podem reduzir as necessidades de insulina:
Agentes hipoglicemiantes orais (AHO), octreotídeo, inibidores da monoamino oxidase (IMAO), agentes beta-bloqueadores não-seletivos, inibidores da enzima conversora da angiotensina (ECA), salicilatos, álcool, antibióticos sulfonamida, esteróides anabólicos, quinina, quinidina e agentes bloqueadores alfa-adrenérgicos.
As seguintes substâncias podem aumentar as necessidades de insulina:
Contraceptivos orais, tiazidas, glicocorticóides, hormônios da tireóide, simpatomiméticos, hormônio do crescimento, diazóxido, asparaginase, ácido nicotínico.
Os agentes beta-bloqueadores podem mascarar os sintomas da hipoglicemia.
O álcool pode intensificar e prolongar o efeito hipoglicêmico da insulina.

Cuidados de armazenamento.

Os frascos-ampola que não estão sendo utilizados devem ser mantidos dentro da embalagem original, em temperaturas entre 2 °C e8 °C, por 30 meses, na geladeira, não muito próximos do compartimento do congelador. Não congelar. Se a insulina for congelada, não poderá mais ser utilizada.

Posologia e modo de usar.

Modo de usar e cuidados de conservação depois de aberto
Cuidados de conservação
O frasco-ampola em uso pode ser mantido em temperatura ambiente (entre 15 °C e 30 °C) por até 6 semanas. Não deve ser exposto à luz solar direta ou a altas temperaturas.
Prazo de Validade
O prazo de validade deste produto é de 30 meses.
Cuidados de administração
Recomenda-se administrar as injeções por via subcutânea. Novolin® R é geralmente administrado subcutaneamente na parede abdominal. A coxa, a região glútea ou a região deltóide também podem ser usadas.
As administrações intramusculares são possíveis, desde que sob orientação médica.
Somente a solução de insulina humana é adequada para administração intravenosa e sua aplicação deve ser feita somente pelo médico.
A injeção subcutânea na parede abdominal assegura uma absorção mais rápida do que em outros locais de injeção.
A injeção numa prega da pele diminui o risco da aplicação intramuscular.
Os locais de injeção devem ser alternados dentro de uma região anatômica, de modo a evitar a lipodistrofia.
Via de administração
Subcutânea, intramuscular ou intravenosa.
Posologia
A dose é individual e determinada pelo médico, de acordo com as necessidades do paciente. A média diária de insulina necessária para manutenção da terapia do paciente com diabetes tipo 1, varia entre 0,5 e 1,0 UI/kg, dependendo do paciente. Entretanto, em crianças em idade pré-púbere, a média diária de insulina necessária geralmente varia de 0,7 a 1,0 UI/kg, mas, pode ser muito mais baixa durante o período de remissão parcial. Na resistência à insulina, por exemplo, durante a puberdade ou devido à obesidade, a necessidade diária de insulina pode ser muito mais alta. A dosagem inicial para pacientes portadores de diabetes do tipo 2 é freqüentemente mais baixa, por exemplo 0,3 a 0,6 UI/kg/dia.
Em pacientes portadores de diabetes mellitus, o controle metabólico otimizado posterga o início e retarda a progressão das complicações diabéticas. O controle metabólico otimizado, incluindo a monitoração dos níveis de glicose sangüínea, é portanto recomendado.
Em pacientes idosos o objetivo primário do tratamento deve ser aliviar os sintomas e evitar as reações hipoglicêmicas.
Novolin® R é uma insulina de ação rápida e é freqüentemente usada em associação com insulina de ação intermediária ou de ação prolongada.
Recomenda-se fazer uma refeição ou um lanche contendo carboidratos dentro de 30 minutos após a injeção.

Reações adversas.

A hipoglicemia é o efeito indesejado que ocorre com maior freqüência na insulinoterapia.
Os sintomas de hipoglicemia geralmente ocorrem repentinamente. Eles podem incluir: suor frio, palidez, nervosismo ou tremor, ansiedade, cansaço ou fraqueza incomum, confusão, dificuldade de concentração, sonolência, fome excessiva, alteração temporária da visão, dor de cabeça, náusea e palpitação.
A hipoglicemia severa pode levar à inconsciência e pode resultar em dano cerebral temporário ou permanente ou até mesmo morte.
Edema e distúrbios de refração podem ocorrer no início da terapia com insulina. Estes sintomas são geralmente de natureza transitória. Reações de hipersensibilidade local (eritema, edema e prurido no local da injeção) podem ocorrer durante o tratamento com insulina. Estas reações são geralmente transitórias e normalmente desaparecem com a continuidade do tratamento. Reações de hipersensibilidade generalizada podem ocorrer ocasionalmente. Elas são potencialmente mais sérias e podem causar erupção cutânea generalizada, prurido, sudorese, perturbações gastrintestinais, edema angioneurótico, dificuldade de respirar, palpitação e redução da pressão sangüínea. Reações de hipersensibilidade generalizada são potencialmente um risco a vida.
A lipodistrofia pode ocorrer no local de aplicação das injeções como uma conseqüência da aplicação freqüente das injeções no mesmo local.

Superdose.

Não há definições específicas para superdosagem em insulina. Entretanto, a hipoglicemia pode desenvolver-se nos seguintes estágios:
• Episódios de hipoglicemia leve podem ser tratados pela administração oral de glicose ou produtos açucarados. Portanto, recomenda-se que o paciente diabético constantemente carregue consigo um pouco de açúcar, doces, biscoitos ou suco de frutas açucarado.
• Episódios de hipoglicemia severa, no qual o paciente fica inconsciente, podem ser tratados com glucagon (0,5 a 1 mg) administrado por via intramuscular ou subcutânea por uma pessoa habilitada, ou por glicose administrada intravenosamente por um médico. A glicose deve também ser dada por via intravenosa, se o paciente não responder a injeção de glucagon dentro de 10 a 15 minutos.
Uma vez recobrada a consciência, recomenda-se a administração oral de carboidratos, para prevenir a reincidência.

Dizeres legais.

Registro MS: 1.1766.0003

Princípios Ativos de Novolin R

Patologias de Novolin R

Laboratório que produce Novolin R