NORIDERM®

EMS

cetoconazol

Antifúngico.

Apresentações.

Comprimidos: Embalagens contendo 10, 20 e 30 comprimidos
Uso Oral
Uso Adulto e Pediátrico

Composição.

Cada comprimido de Noriderm® contém: cetoconazol 200mg, excipiente *q.s.p. 1 com. *lactose monoidratada, povidona, amido, estearato de magnésio, dióxido de silício.

Informações técnicas.

CARACTERÍSITICAS
Noriderm® (cetoconazol) é um derivado imidazo-dioxolâmico sintético, com eficácia comprovada em infecções causadas por dermatófitos, leveduras e outros fungos patogênicos, após administração oral.
Noriderm® mostrou atividade fungicida ou fungistática contra dermatófitos (Trichophyton spp., Microsporum spp., Epidermophyton floccosum), leveduras (Candida, Pityrosporum, Torulopsis, Cryptococcus), fungos dimórficos e eumicetos. Menos sensíveis são Aspergillus spp., Sporothrix schenkii, alguns Dematiaceae, Mucor spp. e outros ficomicetos, exceto Entomophthorales.
Noriderm® inibe a biossíntese do ergosterol no fungo e altera a composição de componentes lipídicos na membrana.
Dados obtidos em alguns estudos clínicos da farmacocinética e farmacodinâmica e de interação medicamentosa sugerem que 200 mg de cetoconazol via oral duas vezes ao dia durante 3-7 dias pode resultar em um pequeno aumento do intervalo QTc: um aumento máximo de aproximadamente 6 a 12 mseg foi observado nos níveis do pico plasmático cerca de 1-4 horas após a administração de cetoconazol. Este pequeno prolongamento do intervalo QTc, entretanto, não é considerado clinicamente relevante.
Propriedades farmacocinéticas: Absorção: O cetoconazol é um agente dibásico fraco e portanto requer acidez para dissolução e absorção.
Após a ingestão de uma dose de 200 mg, juntamente com uma refeição, os picos plasmáticos são obtidos dentro de 1 a 2 horas, correspondendo a aproximadamente 3,5 mcg/mL.
Distribuição: In vitro, a ligação às proteínas plasmáticas, principalmente à fração albumina, é de aproximadamente 99%. Apenas uma proporção insignificante atinge o fluido cerebroespinhal.
Metabolismo: Após a absorção no trato gastrintestinal, o cetoconazol é convertido em diversos metabólitos inativos. As principais vias metabólicas identificadas são oxidação e degradação dos anéis imidazólico e piperazínico, o-dealquilação oxidativa e hidroxilação aromática.
Excreção: Aproximadamente 13% da dose é excretada na urina, das quais 2 a 4% é o fármaco inalterado. A principal via de excreção é através da bile no intestino.

Indicações.

- Infecções micóticas da pele, couro cabeludo e unhas por dermatófitos ou leveduras (dermatofitoses, onicomicoses, paroníquia, pitiríase versicolor, candidíase cutânea e mucocutânea e outras), abrangendo os casos em que o tratamento tópico é difícil ou não apresenta boa eficácia, devido ao envolvimento de áreas cutâneas extensas ou de lesões comprometendo unhas e pêlos.
- Infecções da boca e do trato gastrointestinal por leveduras (candidíase oral, esofagite moniliásica e outras).
- Formas clínicas agudas, crônicas, recidivantes de candidíase vaginal.
- Infecções micóticas sistêmicas, tais como paracoccidioidomicose (blastomicose sul-americana), candidíase sistêmica, histoplasmose, coccidioidomicose e outras.
- Tratamento profilático de pacientes com diminuição dos mecanismos de defesa (hereditários e causados por doença ou drogas), envolvendo um aumento de risco de infecções micóticas.
- Tratamento de manutenção das micoses sistêmicas para se evitar recidivas, ou até obtenção de remissão sorológica.
- Noriderm® não penetra bem no SNC. Assim, meningites fúngicas não devem ser tratadas com cetoconazol oral.

Contraindicações.

Noriderm® é contra-indicado nas seguintes situações:
Em pacientes com hipersensibilidade conhecida ao cetoconazol ou qualquer um dos excipientes.
Em pacientes com patologia hepática aguda ou crônica.
Co-administração de cetoconazol e dos substratos do CYP3A4 terfenadina, astemizol, mizelstina, cisaprida, dofetilida, quinidina ou pimozida é contra-indicada uma vez que o aumento das concentrações plasmáticas destes medicamentos pode levar ao prolongamento do intervalo QTc e à ocorrência raras de "Torsades de Pointes".
Co-administração com a demperidona é contra-indicada dado que esta combinação pode levar ao prolongamento do QTc.
Co-administração com triazolam e midazolam oral.
Co-administração com inibidores da HMG-CoA redutase metabolizados pela CYP3A4 tais como sinvastatina e lovastatina.
Veja também "Interações medicamentosas".

Advertências e precauções.

Atenção: Este medicamento contém açúcar (amido), portanto, deve ser usado com cautela em portadores de Diabetes.
Toxicidade hepática: casos muito raros de toxicidade hepática grave, incluindo casos fatais ou que necessitaram de transplante hepático ocorreram com o uso de cetoconazol oral (veja "Efeitos Colaterais"). Alguns pacientes não apresentavam fator de risco para distúrbio hepático. Há relatos de ocorrência nos primeiros meses de tratamento, incluindo alguns na primeira semana.
Monitoramento da função hepática deve ser considerado em todos os pacientes em tratamento com Noriderm® comprimidos.
Os pacientes devem ser instruídos a relatar imediatamente sinais e sintomas indicativos de hepatite como anorexia, náusea, vômito, fadiga, icterícia, dor abdominal ou urina escura, nestes pacientes o tratamento deve ser interrompido imediatamente e um teste de função hepática deve ser realizado.
Estar atento para os fatores que podem aumentar o risco de hepatite: mulheres acima de 50 anos, tratamento anterior com griseofulvina, história pregressa de doença hepática, intolerância conhecida à droga e uso concomitante de medicação que pode comprometer a função do fígado. Após um tratamento com griseofulvina é aconselhável esperar um mês antes de iniciar uma terapia com Noriderm®. Nos pacientes com enzimas hepáticas aumentadas ou que desenvolveram toxicidade hepática com outros fármacos, o tratamento não deve ser iniciado a menos que os benefícios esperados superem o risco de lesão hepática. Nestes casos é necessário monitorar as enzimas hepáticas.
Uma avaliação do risco/benefício deve ser feita antes do uso de cetoconazol em doenças sem risco de vida que exigem tratamento a longo prazo.
Monitoramento da função hepática: o monitoramento da função hepática deve ser considerado em todos os pacientes em uso de Noriderm® comprimidos. Recomenda-se que os testes da função hepática sejam realizados antes do tratamento e em intervalos freqüentes durante o tratamento.
Monitoramento da função supra-renal: em voluntários tratados com doses diárias iguais ou superiores a 400 mg, o cetoconazol foi capaz de reduzir a resposta de cortisol à estimulação por ACTH. Sendo assim, a função supra-renal deve ser monitorada em pacientes com insuficiência supra-renal ou no limite da normalidade, além dos pacientes em períodos prolongados de estresse (grande cirurgia, tratamento intensivo).
Uso pediátrico: o uso documentado de Noriderm® comprimidos em crianças com peso inferior a 15 kg é limitado.
Portanto, o uso de Noriderm® comprimidos em crianças pequenas não é recomendado.
Acidez gástrica diminuída: a absorção é prejudicada quando a acidez gástrica está diminuída. Em pacientes recebendo, também, antiácidos (ex: hidróxido de alumínio), estes devem ser administrados pelo menos duas horas após a tomada de Noriderm®. Em pacientes com acloridria, tais como certos pacientes com AIDS e pacientes recebendo supressores da secreção ácida (ex: antagonistas H2, inibidores da bomba de próton), recomenda-se administrar Noriderm® comprimidos com refrigerante tipo cola.
Potencial para interações medicamentosas: Noriderm® tem potencial para interações medicamentosas clinicamente importantes (veja "Interações Medicamentosas").
Emprego na gravidez e lactação
O cetoconazol induz oligodactilia e sindactilia em ratos com doses de 80 mg/kg. Não se dispõe de dados clínicos seguros que recomendem a utilização em mulheres grávidas; portanto, Noriderm® está contra-indicado na gravidez, a menos que os benefícios do tratamento justifiquem os riscos para o feto.
Como o cetoconazol é excretado no leite, mulheres que estão sob tratamento não devem amamentar.
Efeitos sobre a habilidade de dirigir ou operar máquinas
Nenhum efeito tem sido observado.

Interações medicamentosas.

1. Drogas que afetam o metabolismo do cetoconazol
Drogas indutoras de enzimas como a rifampicina, rifabutina, carbamazepina, isoniazida e fenitoína reduzem de forma significante a biodisponibilidade do cetoconazol.
Drogas que afetam a acidez gástrica: veja o item "Precauções e Advertências".
O ritonavir aumenta a biodisponibilidade do cetoconazol. Portanto, quando ele for administrado concomitantemente, deve-se considerar a redução da dose do cetoconazol.
2. Efeito do cetoconazol sobre o metabolismo de outras drogas
O cetoconazol pode inibir o metabolismo de drogas metabolizadas por certas enzimas do citocromo P450, especialmente da família CYP3A. Isto pode resultar em aumento/prolongamento de seus efeitos, incluindo efeitos colaterais.
Exemplos são: drogas contra-indicadas durante o tratamento com cetoconazol:
-Co-administração de cetoconazol e dos substratos do CYP3A4 terfenadina, astemizol, mizolastina, cisaprida, dofetilida, quinidina ou pimozida é contra-indicada uma vez que o aumento das concentrações plasmáticas destes medicamentos pode levar ao prolongamento do QTc e a ocorrências raras de "Torsades de Pointes".
-Co-administração com a domperidona é contra-indicada dado que esta combinação pode levar ao prolongamento do QTc.
-Co-administração com triazolam e midazolam oral é contra-indicada devido à intensificação e prolongamento da resposta farmacodinâmica.
-Co-administração com inibidores da HMG-COA redutase metabolizados pelo CYP3A4 tais como sinvastatina e lovastatina.
Drogas que devem ser usadas com cautela, cujos níveis plasmáticos, efeitos ou efeitos colaterais devem ser monitorados e cujas doses podem ser reduzidas, se necessário, quando co-administrados com cetoconazol:
-Alcalóides do "ergot" (ergotamina e diidroergotamina);
-Anticoagulantes orais;
-Inibidores da protease do HIV, tais como indinavir e saquinavir;
-Certos agentes neoplásicos como alcalóides da vinca, busulfano e docetaxel;
-Bloqueadores de canal de cálcio metabolizados pela CYP3A4, tais como dihidropiridinas e provavelmente verapamil;
-Certos agentes imunossupressores: ciclosporina, tacrolimus, rapamicina (sirolimus);
Outros: digoxina, carbamazepina, buspirona, alfentanila, sildenafil, alprazolam, brotizolam, midazolan I.V., rifabutina, metilprednisolona, trimetrexato, ebastina, reboxetina.
Reações tipo dissulfiram, caracterizadas por rubor, "rash", edema periférico, náusea e cefaléia, foram descritas após uso de álcool, de forma excepcional. Todos os sintomas se resolveram completamente dentro de poucas horas.

Posologia e modo de usar.

Noriderm® deve ser administrado durante uma das refeições diárias para absorção máxima.
Adultos:
Candidíase vaginal: dois comprimidos (400 mg) em uma só tomada diária, durante 5 dias.
Todas as demais indicações: um comprimido (200 mg) ao dia, até pelo menos uma semana após o desaparecimento dos sintomas ou até negativação dos exames micológicos. Em infecções muito graves, ou quando a resposta clínica for insuficiente, dentro do prazo previsto, a dose de Noriderm® pode ser aumentada para 2 comprimidos (400 mg), sempre uma vez ao dia. No tratamento profilático de pacientes imunodeprimidos recomenda-se 2 comprimidos (400 mg), uma vez ao dia.
De acordo com os resultados obtidos nos estudos clínicos realizados, a duração do tratamento, em média, tem-se revelado a seguinte:
- candidíase vaginal: 5 dias consecutivos;
- dermatofitoses e candidíase cutânea: aproximadamente 4 semanas;
- micoses do couro cabeludo: 4 a 8 semanas;
- pitiríase versicolor: 10 dias;
- paracoccidioidomicose, histoplasmose e coccidioidomicose: mínimo de 6 meses;
- onicomicose e candidíase mucocutânea crônica: 6 a 12 meses;
- candidíase oral ou cutânea: 2 a 3 semanas;
- candidíase sistêmica: 4 a 8 semanas.
Crianças:
As doses foram calculadas de acordo com o peso corpóreo:
Até 20 kg: 1/4 de comprimido (50 mg) uma vez ao dia.
De 20 a 40 kg: 1/2 comprimido (100 mg) uma vez ao dia.
Acima de 40 kg: 1 comprimido (200 mg) uma vez ao dia.
Em geral este esquema terapêutico deve ser contínuo, sem interrupção, até pelo menos uma semana após o desaparecimento completo dos sintomas ou a negativação de todas as culturas.
Para o tratamento profilático de crianças imunodeprimidas recomenda-se as seguintes doses:
Até 20 kg: 1/2 comprimido (100 mg) uma vez ao dia.
De 20 a 40 kg: 1/2 a 1 1/2 (100 a 300 mg) uma vez ao dia.
Acima de 40 kg: 2 comprimidos (400 mg) uma vez ao dia.

Reações adversas.

As reações adversas aos medicamentos são classificadas pela freqüência, através da seguinte convenção:
Muito comum ( > 1/10); comum ( > 1/100, < 1/10); incomum ( > 1/1.000, < 1/100); raro ( > 1/10.000, < 1/1.000); muito raro ( < 1/10.000), incluindo relatos isolados.
Nos estudos clínicos com cetoconazol oral, os eventos adversos mais importantes foram os seguintes:
- Distúrbios dos sistemas sangüíneo e linfático
Raro: trombocitopenia
- Distúrbios do sistema nervoso
Incomum: cefaléia, tontura, fotofobia
Raro: parestesia
- Distúrbios gastrintestinais
Comum: náusea e vômito, dor abdominal
Incomum: diarréia, dispepsia
- Distúrbios hepato-biliares
Incomum: aumentos reversíveis de enzimas hepáticas
- Distúrbios da pele e do tecido subcutâneo
Comum: prurido
Incomum: "rash", alopécia
- Distúrbios do sistema reprodutivo e da mama
Incomum: ginecomastia reversível (com doses maiores que a dose terapêutica recomendada de 200 ou 400 mg por dia)
Os eventos adversos a seguir também foram relatados, baseados na experiência pós-comercialização:
- Distúrbios do sistema imune
Muito raro: reações alérgicas, incluindo casos isolados de choque anafilático
- Distúrbios do sistema nervoso
Muito raro: aumento reversível da pressão intracraniana (ex. papiledema, fontanela protuberante em lactentes).
- Distúrbios hepato-biliares
Muito raro: toxicidade hepática grave, incluindo icterícia, hepatite, necrose hepática confirmada por biópsia, insuficiência hepática, incluindo casos que resultaram em transplante ou morte (veja "Advertências e Precauções")
- Distúrbios da pele e do tecido subcutâneo
Muito raro: urticária
- Distúrbios do sistema reprodutivo e da mama
Muito raro: distúrbios menstruais, oligospermia (com doses maiores que a dose terapêutica recomendada de 200 ou 400 mg por dia)

Superdose.

Não há antídoto para cetoconazol.
No caso de ingestão acidental excessiva, devem ser adotados os procedimentos de rotina, incluindo lavagem gástrica com bicarbonato de sódio. Se considerado apropriado pode ser ministrado carvão ativado.
PACIENTES IDOSOS
Não existe na literatura relatos sobre advertências de recomendações do uso adequado de cetoconazol por pacientes idosos.

Dizeres legais.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
Reg. MS: n° 1.0235.0259

NORIDERM®

EMS

Creme

cetoconazol

Antifúngico.

Apresentações.

Creme: Embalagem contendo bisnaga com 20g de creme
Uso Tópico
Uso Adulto e Pediátrico

Composição.

Cada g do creme Noriderm® contém: cetoconazol 20 mg, veículo* q.s.p 1 g. * simeticona, propilenoglicol, propilparabeno, metilparabeno, metabissulfito de sódio, álcool cetoestearílico etoxilado, edetato dissódico diidratado, oleato de decila, álcool cetoestearílico, água purificada.

Informações técnicas.

CARACTERÍSTICAS
Noriderm® apresenta atividade antimicótica potente contra dermatófitos, tais como Trichophyton sp, Epidermophyton floccosum e Microsporum sp, e também contra leveduras.
Noriderm® age rapidamente contra o prurido comumente observado nas infecções por dermatófitos e leveduras. Esta melhora sintomática precede os primeiros sinais de melhora objetiva das lesões cutâneas. Aplicado topicamente, Noriderm® não é absorvido, não penetrando na circulação sangüinea. Em estudos com voluntários, não foram detectados níveis sangüineos de cetoconazol, mesmo empregando-se métodos bastante sensíveis.

Indicações.

Noriderm® apresenta atividade antimicótica potente contra dermatófitos, tais como Trichophyton sp, Epidermophyton floccosum e Microsporum sp, e também contra leveduras. Noriderm® creme age rapidamente contra o prurido comumente observado nas infecções por dermatófitos e leveduras. Esta melhora sintomática precede os primeiros sinais de melhora objetiva das lesões cutâneas.

Contraindicações.

Noriderm® está contra-indicado em pacientes que tenham apresentado hipersensibilidade a qualquer dos seus componentes.

Advertências e precauções.

Noriderm® não pode seu usado na conjuntiva, não estando indicado para infecções oftálmicas. Para prevenir o efeito rebote após parada abrupta de um tratamento prolongado com corticóides tópico é recomendado continuar a aplicação com um corticóide de menor potência pela manhã e aplicar Noriderm® creme à noite, e subseqüentemente e gradualmetne retirar a terapia com o esteróide após um período de 2 a 3 semanas.
Gravidez e lactação: Como Noriderm® creme não é absorvido topicamente, os cuidados não são relevantes.

Posologia e modo de usar.

Noriderm® deve ser aplicado nas áreas infectadas uma vez ao dia. O tratamento deve ser mantido por períodos adequados, estendendo-se por mais alguns dias após o desaparecimento dos sintomas e das lesões. Observam-se resultados favoráveis, após 4 semanas de tratamento, dependendo, obviamente, do tipo de micose, extensão e intensidade das lesões. Devem ser praticadas medidas gerais de higiene, para auxiliar no controle de fatores de contaminação ou reinfecção.
Fure o tubo com a ponta que está na própria tampa. Após lavar e secar bem a pele infectada passar Noriderm® delicadamente na pele com a ponta do dedo. Não aplique somente na área infectada, mas também ao redor dela. Lave suas mãos cuidadosamente após aplicar o creme. Isto evita a transferência da doença para outras partes do seu corpo ou para outras pessoas.
Mantenha roupas e toalhas de uso pessoal separadas, evitando contaminar seus familiares. Troque regularmente a roupa que está em contato com a pele infectada para evitar reinfecção.

Reações adversas.

Como Noriderm® não é absorvido, os efeitos colaterais, raramente observados, têm se restringindo à área cutânea onde é aplicado, tais como irritação, sensação de ardor, dermatite de contato associado ao Noriderm creme ou a um de seus componentes: sulfito de sódio ou propilenoglicol.

Superdose.

Quando Noriderm® é aplicado mais freqüentemente do que prescrito, pode ocorrer sensação de ardência, vermelhidão ou inchaço. Neste caso interromper o uso de Noriderm®.
A ingestão acidental de Noriderm® é inofensiva, mas se isso ocorrer procure um médico para sua maior segurança.
PACIENTES IDOSOS
Não existem na literatura relatos sobre advertências ou recomendações do uso adequado de Noriderm® creme por pacientes idosos.
SIGA CORRETAMENTE O MODO DE USAR. NÃO DESAPARECENDO OS SINTOMAS PROCURE ORIENTAÇÃO MÉDICA.

Dizeres legais.

Reg. MS: n° 1.0235.0259

NORIDERM®

EMS

Shampoo

cetoconazol

Antifúngico.

Apresentações.

Shampoo: Embalagem contendo frasco de 100ml ou 200ml
Uso Tópico
Uso Adulto

Composição.

Cada g do shampoo contém: cetoconazol 20 mg, veículo* q.s.p 1 g.
* essência melody, fenoxietanol+parabenos, lauriletersulfato de sódio, edetato dissódico diidratado, corante vermelho eritrosina 3, dietanolamida de ácido graxo de coco, ácido clorídrico, água purificada.

Informações técnicas.

CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS
Propriedades Farmacodinâmicas: NORIDERM
® (cetoconazol) é um derivado sintético do imidazol dioxolano, com potente atividade contra dermatófitos como Trichophyton sp, Epidermophyton sp, Microsporum sp e leveduras, como Candida sp e Malassezia furfur ( Pityrosporum ovale). NORIDERM® shampoo promove o alívio do prurido e da descamação normalmente associados a dermatite seborréica, pitiríase capiter (caspa) e pitiríase versicolor.
Propriedades Farmacocinéticas: Mesmo após uso crônico, não são detectados níveis sangüíneos de cetoconazol, indicando ausência de absorção percutânea e conseqüentemente ausência de ação sistêmica.

Indicações.

NORIDERM shampoo é um medicamento indicado para o tratamento e profilaxia de infecções nas quais esteja envolvida a Malassezia furfur, tais como pitiríase versicolor (pano branco), dermatite seborréica (seborreia, oleosidade) e caspa.

Contraindicações.

NORIDERM® shampoo é contra-indicado em caso de hipersensibilidade (alergia) ao cetoconazol ou aos excipientes da formulação.

Advertências e precauções.

Em pacientes submetidos a um tratamento prolongado com corticosteróides tópicos, recomenda-se que a terapia com o esteróide seja gradualmente descontinuada por um período de 2 a 3 semanas, durante o uso de NORIDERM® shampoo, para prevenir um potencial efeito rebote. Dermatite seborréica e a caspa são freqüentemente associadas com o aumento da queda de cabelos que também foi relatada, embora em casos raros, com o uso de NORIDERM® shampoo.
Evitar que o medicamento entre em contato com os olhos. Entretanto, se isto ocorrer, os olhos devem ser lavados com água.

Interações medicamentosas.

Se você estiver utilizando corticosteróide creme, loção ou pomada, o tratamento com NORIDERM® shampoo pode ser iniciado conjuntamente, mas deve ser observado que a retirada do corticosteróide deve ser feita de maneira gradativa. Caso contrário à pele pode apresentar reação de vermelhidão ou prurido.
Você deve fazer interrupção da seguinte forma:
- aplicar as mesmas quantidades por 1 semana;
- fazer a retirada gradual do corticosteróide, durante o período de 1 a 2 semanas;
- em seguida, interromper o tratamento com corticosteróide por completo.
Não há contra-indicação relativa a faixas etárias.

Posologia e modo de usar.

A freqüência do uso de NORIDERM® shampoo irá depender do tipo de infecção e se o uso destina á cura ou á prevenção da infecção.
Para tratar caspa e dermatite seborréica: aplicar o shampoo 2 vezes por semana, por 2 a 4 semanas.
Para prevenir o reaparecimento: aplicar o shampoo 1 vez por semana ou 1 vez a cada 2 semanas.
Para tratar pitiríase versicolor: aplicar o shampoo 1 vez ao dia durante 5 dias.
Para prevenir o reaparecimento: aplicar o shampoo todo ano antes do verão, 1 vez ao dia por 3 dias seguidos.
Aplicar NORIDERM® shampoo nas partes afetas e deixar agir por 3 a 5 minutos antes de enxaguar.

Reações adversas.

Em geral, NORIDERM® shampoo é bem tolerado. Assim como outros shampoos, pode ocorrer uma sensação de ardência local, coceira ou vermelhidão ou irritação. Raramente pode ocorrer oleosidade e ressecamento dos cabelos. Em caso de intolerância ao shampoo, não continue o tratamento. Pode ocorrer descoloração, principalmente se o seu cabelo for grisalho ou que submetam os cabelos á ação de substâncias químicas (tinturas, descolorações ou com permanente). Caso ocorra algum destes sintomas, informe seu médico imediatamente.

Superdose.

Não são esperadas reações com o uso tópico exacerbado do NORIDERM® shampoo. Em geral, não é seria a ingestão acidental de NORIDERM® shampoo, mas para maior segurança, procure o seu médico em caso de acidentes.
No caso de ingestão acidental, medidas de suporte devem ser tomadas. Para evita aspiração. Não se deve provocar vômito nem fazer lavagem gástrica.
PACIENTES IDOSOS
Não constam na literatura relatos sobre advertências ou recomendações do uso adequado de NORIDERM® shampoo por pacientes idosos.
SIGA CORRETAMENTE O MODO DE USAR. NÃO DESAPARECENDO OS SINTOMAS, PROCURE ORIENTAÇÃO MÉDICA.

Dizeres legais.

Reg. MS: n° 1.0235.0259

Princípios Ativos de Noriderm

Laboratório que produce Noriderm