MEDVITD3

SANOFI MEDLEY

vitamina d3

Vitamínico.

Apresentações.

Medvitd3 7.000 UI - caixa com 8 cápsulas gelatinosas moles.
Medvitd3 50.000 UI - caixa com 4 cápsulas gelatinosas moles.
USO ORAL.
USO ADULTO

Composição.

Cada cápsula gelatinosa mole contém
Medvitd3 (colecalciferol) 7.000 UI
Colecalciferol (equivalente a 7.000 UI) 7,0 mg por cápsula
Excipientes: racealfatocoferol, óleo de soja, gelatina, glicerol, amarelo crepúsculo, dióxido de titânio e água purificada.
Medvitd3 (colecalciferol) 50.000 UI
Colecalciferol (equivalente a 50.000 UI 50,0 mg por cápsula
Excipientes: racealfatocoferol, óleo de soja, gelatina, glicerol, vermelho amaranto, vermelho 40, amarelo crepúsculo, óxido de ferro vermelho, dióxido de titânio e água purificada.

Informações técnicas.

1.INDICAÇÕES
Medvitd3
(colecalciferol) é um medicamento a base de vitamina D3 (colecalciferol), indicado paraprevenção e tratamento auxiliar na desmineralização óssea, prevenção e tratamento do raquitismo,osteomalacia e prevenção no risco de quedas e fraturas.

2.RESULTADO DE EFICÁCIA
A Endocrine Society e a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) sugerem que aconcentração desejável de 25(OH)D é de 30ng/mL. Segundo essas sociedades, as concentrações séricasabaixo de 20 ng/mL são classificadas como deficiência, entre 20 e 29 ng/mL como insuficiência e entre 30e 60 ng/mL como suficiência. Níveis de 25(OH)D de 30ng/mL, em geral, estão relacionados à correção dohiperparatiroidismo secundário, da redução do risco de quedas e fraturas e a máxima absorção de cálcio1,2.

Assim, segundo a Diretriz da Endocrine Society e da SBEM, nos casos de deficiência de vitamina D, é recomendada a dose de 50.000 UI de colecalciferol por semana ou 7.000 UI por dia durante seis a oito semanas para adultos, seguido de um tratamento de manutenção de 1.000-2.000 UI por dia1,2. De acordo com Ish-Shalom et al., a vitamina D pode ser administrada com frequência de dosagem diária, semanal ou mensal sem diferenças. Pacientes que usam anticonvulsivantes, corticoides, antifúngicos e antirretrovirais podem necessitar de dose de manutenção duas a três vezes maior que a recomendada a pessoas saudáveis de mesma idade e o tratamento deve ser individualizado nesses pacientes3.
Takács et al. avaliaram sessenta e quatro indivíduos adultos com deficiência de vitamina D (25(OH)D < 20 ng/mL) em ensaio clínico multicêntrico controlado, randomizado, aberto e com 3 meses de duração quanto ao perfil comparativo de eficácia e segurança de 1.000 UI/dia, 7.000 UI/semana e 30.000 UI/mês de vitamina D3. As respostas de dose para o aumento da vitamina 25(OH)D sérica foram estatisticamente equivalentes para cada um dos três grupos. O tratamento de indivíduos com as doses selecionadas restaurou valores de 25(OH)D para níveis acima de 20 ng/mL em todos os grupos. O tratamento com frequência de administração distinta de vitamina D3 não apresentou diferenças nos parâmetros de segurança. As administrações diárias, semanais e mensais de equivalente diário de 1.000 UI de vitamina D3 proporcionam perfis de eficácia e segurança iguais4.
Uma equipe internacional de pesquisadores analisou os resultados de oito estudos, através de uma metanálise (n=2.426) para prevenção de quedas, a fim de avaliar a efetividade da Vitamina D na prevenção de quedas entre indivíduos a partir de 65 anos. Os resultados mostraram que os benefícios do tratamento com Vitamina D na prevenção de quedas dependiam da dose adotada. A dose diária de 700 UI a 1.000UI de Vitamina D reduziu a incidência de quedas em 19% a 26%. Esse efeito foi observado independentemente da idade, tipo de moradia ou tratamento adicional com cálcio. O tratamento com Vitamina D não reduziu as quedas nas doses inferiores a 700 UI/dia. Para reduzir o risco de queda, recomenda-se uma dose diária de, pelo menos, 700 UI a 1.000 UI de Vitamina D5. Resultados semelhantes foram observados por Kalyani et al., em uma revisão sistemática e metanálise (n=18.068), onde foi observada uma diminuição de 14% na incidência de queda em idosos sob tratamento com Vitamina D. O regime posológico foi variado, sendo que as administrações poderiam ser diárias (800UI - 1.100UI) ou a cada 4 meses (100.000 UI)6.
A utilização de doses mensais de manutenção de 30.000 UI ou 60.000 UI de colecalciferol também é descrita na literatura e pode ser uma opção no tratamento da hipovitaminose D. Tran et al., avaliaram 644 participantes entre 60 a 84 anos que receberam doses mensais de placebo ou 30.000 ou 60.000 UI de vitamina D3 durante 1 ano. Na linha de base, a média de 25(OH)D foi de 16 ng/mL nos três braços de estudo. A alteração média em 25(OH)D no grupo placebo foi de 0,05 ng/mL, em comparação com as alterações de 8,8 e 14,4 ng/mL nos grupos 30.000 e 60.000 UI, respectivamente7.
Referências bibliográficas:
1.Holick MF, et al. Evaluation, treatment, and prevention of vitamin D deficiency: an Endocrine SocietyClinical Practice Guideline. J Clin Endocrinol Metab. 2011;96:1911-30.
2.Maeda SS, Borba VZC, Camargo MBR, Silva DMW, Bandeira F, Lazaretti Castro M. Recomendaçõesda Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) para o diagnóstico e tratamento dahipovitaminose D. Arq Bras Endocrinol Metab 2014;58(5):421-43.
3.Ish-Shalom S, Segal E, Salganik T, Raz B, Bromberg IL, Vieth R. Comparison of daily, weekly, andmonthly vitamin D3 in ethanol dosing protocols for two months in elderly hip fracture patients. J ClinEndocrinol Metab. 2008 Sep;93(9):3430-5.
4.Takács I, Tóth BE, Szekeres L, Szabó B, Bakos B, Lakatos P. Randomized clinical trial to comparingefficacy of daily, weekly and monthly administration of vitamin D. Endocrine. 2017 Jan;55(1):60-65.
5.Bischoff-Ferrari HA, et al. Fall prevention with supplemental and active forms of vitamin D: a meta analysis of randomised controlled trials. BMJ. 2009;339:b3692.
6.Kalyani RR, et al. Vitamin D treatment for the prevention of falls in older adults: systematic review and meta-analysis. J Am Geriatr Soc. 2010;58(7):1299-310.
7.Tran B, Armstrong BK, Carlin JB, Ebeling PR, English DR, Kimlin MG, Rahman B, van der Pols JC,Venn A, Gebski V, Whiteman DC, Webb PM, Neale RE. Recruitment and results of a pilot trial of vitaminD supplementation in the general population of Australia. J Clin Endocrinol Metab. 2012 Dec;97(12):4473-80.

3. CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS
A vitamina D3 é considerada uma vitamina antirraquítica indispensável para o metabolismo do cálcio.
A deficiência de vitamina D é uma das principais causas tanto de raquitismo como de osteomalácia. Estavitamina normalmente é sintetizada na pele humana exposta a raios UVB e transformada em 25-hidroxivitamina D no fígado, que é a forma mais abundante da vitamina e é medida como marcador desuficiência da mesma. No rim, sob controle mais estrito, é sintetizada a forma mais ativa dessa vitamina a1-25-di-dihidroxivitamina D.
O melhor indicador clínico dos níveis de vitamina D é a mensuração da concentração plasmática de25(OH)D. A hipovitaminose ocorre quando os níveis plasmáticos de 25(OH) D estão inferiores a 30ng/mL, sendo a concentração desejável acima de 30ng/mL.
A vitamina D3 atua regulando positivamente a homeostasia do cálcio. É essencial para promover a absorção e utilização de cálcio e fosfato e para calcificação normal dos ossos.
A vitamina D3, o paratohormônio e a calcitonina são os principais reguladores da concentração do cálcio no plasma. O mecanismo pelo qual a vitamina D3 atua para manter as concentrações de cálcio e fosfato normais é facilitando sua absorção no intestino delgado potencializando sua mobilização nos ossos e diminuindo sua excreção renal. Estes processos servem para manter as concentrações de cálcio e potássio no plasma em níveis ideais, essenciais para a atividade neuromuscular normal, mineralização dos ossos e outras funções dependentes do cálcio. A vitamina D3 é rapidamente absorvida pelo intestino delgado, ligando-se a alfa-globulinas específicas para o seu transporte. Sua eliminação é essencialmente biliar e renal.

4.CONTRAINDICAÇÕES
Hipersensibilidade aos componentes da fórmula. Hipervitaminose D, hipercalcemia ou osteodistrofia renalcom hiperfosfatemia.
Doenças e/ou condições que conduzem a hipercalcemia (por exemplo, nefrocalcinose, mieloma, metástasesósseas, hiperparatiroidismo primário, sarcoidose, imobilização prolongada acompanhada porhipercalcemia).
De acordo com a categoria de risco de fármacos destinados às mulheres grávidas, este medicamentoapresenta categoria de risco C.
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.
Este medicamento é contraindicado para menores de 12 anos.

5.ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES
A monitorização é especialmente importante em pacientes com tratamento concomitante com diuréticostiazídicos (Vide 6. Interações medicamentosas).
Medvitd3 deve ser usado sob orientação médica em pacientes com:
-História do cálculo renal.
-Comprometimento cardiovascular (a calcemia do indivíduo deve ser monitorada, pois o cálcio podecausar arritmias).
Medvitd3 deve ser usado com cautela em pacientes com falência renal.
Os níveis de cálcio devem ser monitorados no soro e na urina quando altas doses são administradas.
O conteúdo de Medvitd3 deve ser considerado quando prescrever outros produtos medicinais contendo vitamina D e preparação contendo cálcio. Prescrição de Medvitd3 com outros suplementos de vitamina D deve ser feita sob rigorosa supervisão médica. Nesses casos, os níveis séricos de cálcio deverão ser monitorados (Vide 6. Interações medicamentosas).
A vitamina D3 deve ser usada com precaução em pacientes com cálculos renais.
As concentrações séricas de fosfato devem ser controladas durante a terapia com vitamina D para reduzir orisco de calcificação ectópica em pacientes com comprometimento do metabolismo do cálcio.
A vitamina D3 não deve ser administrada em pacientes com hipercalcemia e deve ser administrada com cautela em paciente com insuficiência renal ou cálculos, ou em pacientes com doença cardíaca, que apresentam maior risco de dano ao órgão caso ocorra hipercalcemia. As concentrações plasmáticas de fosfato devem ser controladas durante o tratamento com vitamina D3, visando reduzir o risco de calcificação ectópica. Recomenda-se a monitorização regular da concentração de cálcio em pacientes recebendo doses farmacológicas de vitamina D3.
A vitamina D3 deve ser usada com cautela em pacientes com hiperlipidemia, devido ao potencial de aumento nos níveis de LDL, descrito na literatura. Pacientes com sarcoidose e doenças granulomatosas tem maior sensibilidade à vitamina D e o uso nesses pacientes deve considerar o risco versus o benefício.
Em caso de hipervitaminose D, recomenda-se administrar dieta com baixa quantidade de cálcio, grandes quantidades de líquido e se necessário glicocorticoides.
Uso em idosos: Não existem restrições ou cuidados especiais quanto ao uso do produto por pacientes idosos. Estudos têm relatado que idosos podem ter níveis mais baixos de vitamina D do que os adultos jovens, especialmente aqueles com pouca exposição solar.
Gravidez e Amamentação
Gravidez
Medvitd3
pode ser usado durante a gravidez em caso de deficiência de vitamina D. Durante a gravidez, a dose diária não deve exceder as doses diárias recomendadas
Superdosagens de vitamina D foram associadas a efeitos teratogênicos em estudos com animais.
De acordo com a categoria de risco de fármacos destinados às mulheres grávidas, este medicamento apresenta categoria de risco C.
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.
Amamentação
Medvitd3
pode ser usado durante a amamentação sob supervisão médica rigorosa. A vitamina D e seus metabólitos são excretados no leite materno. Isso deve ser considerado quando se dá vitamina D adicional à criança.

6.INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS
Diuréticos tiazídicos reduzem a excreção urinária de cálcio. Devido ao aumento de risco de hipercalcemia, cálcio sérico deve ser monitorado regularmente durante uso concomitante de diuréticos tiazídicos.
Tratamento concomitante com fenitoína ou barbitúricos podem diminuir o efeito de Medvitd3 devido a ativação metabólica.
Os corticosteróides sistêmicos reduzem a absorção de cálcio. Além disso, o efeito da vitamina D pode ser diminuído.
A absorção e, portanto, a eficácia do cetoconazol será diminuída pela ingestão concomitante de Medvitd3.
O tratamento simultâneo com resinas de troca iônica, como a colestiramina, pode reduzir a absorção gastrointestinal da vitamina D. Portanto, recomenda-se um intervalo de tempo o maior tempo possível entre as ingestões.
O tratamento concomitante com rifampicina pode diminuir o efeito da vitamina D3 devido à ativação metabólica.
O tratamento concomitante com fenitoína ou barbitúricos pode diminuir o efeito de Medvitd3 devido à ativação metabólica.
Antiácidos que contenham magnésio quando usados concomitantemente com vitamina D podem resultar em hipermagnesemia, especialmente na presença de insuficiência renal crônica.
O uso concomitante de vitamina D com análogos, especialmente calcifediol, não é recomendado devido ao efeito aditivo e aumento do potencial tóxico. Preparações que contenham cálcio em doses elevadas ou diuréticos tiazídicos quando usados concomitantemente com vitamina D, aumentam o risco de hipercalcemia e as que contém fósforo também em doses elevadas aumentam o risco potencial de hiperfosfatemia. Alguns antiepilépticos (ex.: carbamazepina, fenobarbital, fenitoína e primidona) podem aumentar a necessidade de vitamina D3. O uso concomitante de Medvitd3 (colecalciferol) com outros produtos contendo vitamina D3 não é recomendado devido ao efeito aditivo e aumento do potencial tóxico.
Os anticonvulsionantes e os barbitúricos podem acelerar a metabolização de vitamina D3, reduzindo a sua eficácia.

7.CUIDADOS DE ARMAZENAMENTO DO MEDICAMENTO
Conservar o medicamento em sua embalagem original. Conservar em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C). Proteger da luz e umidade. Nestas condições, o medicamento se manterá próprio para o consumo,respeitando o prazo de validade indicado na embalagem.
Este medicamento é válido por 24 meses após a data de fabricação.
Medvitd3 (colecalciferol) encontra-se na forma de cápsula gelatinosa mole, sendo laranja claro opaco a laranja escuro opaco para 7.000 UI e vermelho opaco a vermelho escuro opaco para 50.000 UI.
Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.
Não use medicamento com o prazo de validade vencido.
Guarde-o em sua embalagem original.
Antes de usar, observe o aspecto do medicamento.
Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.


8.POSOLOGIA E MODO DE USAR
Medvitd3
(colecalciferol): deve ser utilizado por via oral. Não há estudos dos efeitos de Medvitd3(colecalciferol) administrado por vias não recomendadas. Portanto, por segurança e para eficácia destaapresentação, a administração deve ser somente pela via oral.
A posologia sugerida é:
Dose de tratamento de manutenção para manter os níveis de 25(OH)D consistentemente acima de 30ng/mL.
Medvitd3
(colecalciferol) 7.000 UI: ingerir, por via oral, 01 a 02 cápsulas por semana ou a critério médico, preferencialmente próximo às refeições.
Doses de tratamento de ataque:
Concentração de 25(OH)D abaixo de 20ng/mL
Medvitd3
(colecalciferol) 7.000 UI: ingerir, por via oral, 01 cápsula ao dia, preferencialmente próximo às refeições, durante seis a oito semanas ou a critério médico.
Medvitd3 (colecalciferol) 50.000 UI: ingerir, por via oral, 01 cápsula por semana, preferencialmente próximo às refeições, durante seis a oito semanas ou a critério médico.
A resposta ao tratamento com vitamina D é muito variável. Portanto, diferentes esquemas posológicos podem ser prescritos, dependendo da patologia, do nível sérico de 25(OH)D e da resposta do paciente ao tratamento. Assim, a dosagem pode variar em uma faixa terapêutica entre 7.000 a 50.000UI, com doses diárias, semanais ou mensais.
Ingerir as cápsulas com quantidade suficiente de líquido.
Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.

9.REAÇÕES ADVERSAS
Na hipervitaminose D tem sido relatado casos de secura da boca, dor de cabeça, polidipsia, poliúria, perdade apetite, náuseas, vômitos, fadiga, sensação de fraqueza, aumento da pressão arterial, dor muscular,prurido e perda de peso.
Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificação de Eventos Adversos a Medicamentos - VIGIMED, disponível em http://portal.anvisa.gov.br/vigimed, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal

10.SUPERDOSE
Na ocorrência de superdose a administração do produto deve ser imediatamente interrompida, instituindo-se tratamento sintomático e de suporte. A intoxicação por vitamina D ocorre quando altas doses foramingeridas inadvertida ou intencionalmente. A vitamina D tem baixo risco de toxicidade, em um estudo foiutilizada a dose a 10.000UI por dia por cinco meses e não houve toxicidade.
Sinais e Sintomas:
Na hipervitaminose D foram relatados casos de fraqueza, fadiga, dor muscular, polidipsia, poliúria, diminuição do apetite.
A superdose pode levar a hipervitaminose e hipercalcemia (os sintomas de hipercalcémia podem incluir anorexia, sede, náuseas, vômitos, obstipação, dor abdominal, fraqueza muscular, fadiga, a função renal pode ser comprometida em fases precoces (poliúria, polidipsia, noctúria), superdosagem pode causar hipercalcemia crônica, calcificação vascular e dos tecidos moles).
Tratamento:
No caso de intoxicação, o tratamento deve ser interrompido imediatamente e a deficiência de fluidos deve ser compensada.
Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Dizeres legais.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.
MS. 1.8326.0415
Esta bula foi aprovada pela Anvisa em 27/01/2020.

Princípios Ativos de Medvitd3

Patologias de Medvitd3

Laboratório que produce Medvitd3