ENANT NORETISTERONA+VAL ESTRADIOL MABRA (GENÉRICO)

MABRA

noretisterona + estradiol

Contracepção hormonal.

Apresentações.

enantato de noretisterona + valerato de estradiol solução injetável - Embalagem contendo:
- 1 ampola de 1 mL + 1 seringa estéril.
USO ADULTO.
USO INTRAMUSCULAR PROFUNDO.

Composição.

Cada mL contém: enantato de noretisterona 50 mg, valerato de estradiol 5 mg. Excipientes q.s.p. 1 mL (benzoato de benzila e óleo de rícino).

Informações técnicas.

Propriedades farmacodinâmicas: enantato de noretisterona + valerato de estradiol previne a gravidez primeiramente inibindo a ovulação e alterando o muco cervical. O efeito produzido no endométrio é similar ao observado com o uso de contraceptivos orais combinados (COCs). Um padrão de sangramento semelhante à menstruação normal é obtido com o uso de enantato de noretisterona + valerato de estradiol. A eficácia contraceptiva das injeções mensais de enantato de noretisterona + valerato de estradiol compara-se favoravelmente à eficácia de métodos que utilizam progestógenos isolados e à eficácia dos contraceptivos orais.
Como enantato de noretisterona + valerato de estradiol contém um estrogênio e um progestógeno, as precauções relacionadas a seu uso são similares àquelas dos COCs. O componente estrogênico presente no enantato de noretisterona + valerato de estradiol é um estrogênio natural e seus níveis sanguineos alcançam os picos da fase pré-ovulatória do ciclo menstrual normal. O componente progestogênico, o enantato de noretisterona, exerce efeitos progestogênicos típicos em mulheres, tais como efeitos antigonadotrópicos, transformação secretória do endométrio e espessamento do muco cervical.
O enantato de noretisterona + valerato de estradiol apresenta efeitos favoráveis no metabolismo lipídico.
Os contraceptivos injetáveis combinados como enantato de noretisterona + valerato de estradiol demonstraram ter efeito mínimo na função hepática em usuárias saudáveis e não apresentam efeito de primeira passagem hepática. Entretanto, uma vez que os hormônios esteroides contidos em contraceptivos injetáveis combinados são metabolizados no fígado, eles poderiam, teoricamente, provocar efeitos adversos em mulheres cuja função hepática já estivesse comprometida.
Propriedades farmacocinéticas: os componentes farmacologicamente ativos, noretisterona e estradiol, encontram-se totalmente biodisponíveis após injeção intramuscular de enantato de noretisterona e valerato de estradiol. Após injeção intramuscular de 50 mg de enantato de noretisterona em combinação com 5 mg de valerato de estradiol, a concentração plasmática máxima de estradiol (média entre 852 e 1570pmol/L) é atingida em aproximadamente 2 dias e a concentração plasmática máxima de noretisterona de 4,7 a 10,1 nmol/L em aproximadamente 4,1 a 4,8 dias após a injeção intramuscular. Uma vez que a meia-vida terminal de estradiol é consideravelmente mais curta que a de noretisterona (a qual, por sua vez, é decorrente das diferentes taxas de liberação dos ésteres a partir do depósito), a segunda parte do período após a administração é dominada pelo componente progestogênico.
Ambos os componentes são completamente metabolizados. Uma pequena parte da noretisterona é transformada, in vivo, em etinilestradiol. A partir da administração de 1 mg de noretisterona ou de acetato de noretisterona por via oral, o etinilestradiol formado em humanos é equivalente a uma dose oral de cerca de 4 mcg ou 6 mcg, respectivamente.
Considerando que a estrogenicidade da noretisterona já é conhecida e vivenciada na prática clínica, a descoberta de suas características metabólicas não altera as recomendações de uso preexistentes.
A biotransformação do estradiol segue a mesma via do hormônio endógeno.
Os metabólitos da noretisterona são excretados com a urina e fezes em proporções semelhantes. A excreção dos metabólitos do estradiol ocorre predominatemente por via renal. Cerca de 85% da dose de ambas as substâncias são excretadas dentro do intervalo de 28 dias após a injeção.
A administração repetida de enantato de noretisterona + valerato de estradiol em intervalos de 28 dias provoca um leve acúmulo de enantato de noretisterona, alcançando-se um estado de equilíbrio logo após a terceira administração.
Com relação à farmacocinética e biotransformação dos fármacos, não se espera uma interação entre o enantato de noretisterona e o valerato de estradiol, já que é pouco provável que ocorra uma sobrecarga do metabolismo, devido às taxas de liberação lentas a partir do depósito intramuscular e às consequentes baixas concentrações séricas dos princípios ativos.

Indicações.

O enantato de noretisterona + valerato de estradiol é indicado para contracepção hormonal.

Contraindicações.

Este medicamento é contraindicado para pacientes com hipersensibilidade ao enantato de noretisterona e/ou valerato de estradiol ou a qualquer outro componente da fórmula.
O enantato de noretisterona + valerato de estradiol não deve ser utilizada nos casos de:
- presença ou história de processos trombóticos/ tromboembólicos arteriais ou venosos, como trombose venosa profunda, embolia pulmonar, infarto do miocárdio; ou de um acidente vascular cerebral; ou sintomas de sinais e/ou sintomas prodrômicos de trombose, como ataque isquêmico transitório e angina pectoris;
- história de enxaqueca com sintomas neurológicos focais;
- diabete melito com alterações vasculares;
- presença de um ou vários fatores de risco para a trombose venosa ou arterial;
- presença ou história de tumores hepáticos benignos ou malignos;
- suspeita ou diagnóstico de neoplasias dependentes de esteroides sexuais (por exemplo, dos órgãos genitais ou das mamas);
- sangramento vaginal não-diagnosticado;
- suspeita ou diagnóstico de gravidez.

Advertências e precauções.

Não existem estudos epidemiológicos com contraceptivos injetáveis combinados (CIC) que avaliem fatores de risco. Geralmente, a experiência com o uso de COC's, em relação às precauções e advertências, deve ser considerada como base para a utilização de CIC's.
Caso ocorra alguma das condições relatadas a seguir, os benefícios do uso dos contraceptivos combinados devem ser avaliados em relação aos possíveis riscos para cada usuária individualmente e discutidos com a mesma antes de optar pelo início de sua utilização. Caso haja um agravamento, exacerbação ou aparecimento pela primeira vez de alguma dessas condições, entrar em contato com o seu médico, e a continuação do uso do produto deve ficar a critério do médico.
- Distúrbios circulatórios
Estudos epidemiológicos sugerem associação entre a utilização de COC's e aumento do risco de distúrbios tromboembólicos e trombóticos arteriais e venosos, como acidente vascular cerebral, infarto do miocárdio, trombose venosa profunda e embolia pulmonar, sendo rara a ocorrência destes eventos.
Durante o uso de COC's, pode ocorrer tromboembolismo venoso (TEV) que se manifesta como trombose venosa profunda e/ou embolia pulmonar. O risco de ocorrêcia de tromboembolismo venoso é mais elevado durante o primeiro ano de uso em usuárias de primeira vez de contraceptivo combinado. A incidência aproximada de TEV em usuárias de contraceptivos orais contendo estrogênio em baixas doses é de 4 por 10.000 mulheres ao ano, e em não usuárias esta incidência é de 0,5 a 3 por 10.000 mulheres ao ano. A incidência de TEV associada à gestação é de 6 por 10.000 gestantes ao ano.
Raramente observa-se a ocorrência de trombose em outros vasos sanguineos como, por exemplo, em veias e artérias hepáticas, mesentéricas, renais, cerebrais ou retinianas em usuárias de COC's.
Sintomas de processos trombóticos/tromboembólicos arteriais ou venosos, ou de acidente vascular cerebral, podem incluir: dor e/ou inchaço unilateral em membro inferior; dor toráxica aguda e intensa, com ou sem irradiação para o braço esquerdo; dispneia aguda; tosse de início abrupto; cefaleia não-habitual, intensa e prolongada; perda repentina na visão, parcial ou total; diplopia, distorções na fala ou afasia; vertigem; colapso, com ou sem convulsão focal; fraqueza, diminuição da sensibilidade ou da força motora, afetando, de forma repentina, um lado ou uma parte do corpo; distúrbios motores; abdome agudo.
O risco de processos trombóticos/tromboembólicos arteriais ou venosos, ou de acidente vascular cerebral, aumenta com alguns fatores, como idade; tabagismo; história familiar positiva (ou seja, tromboembolismo venoso ou arterial detectado em um(a) irmão(ã) ou em um dos progenitores em idade relativamente jovem) - se há suspeita de predisposição hereditária, a usuária deve ser encaminhada a um especialista antes de decidir pelo uso de qualquer contraceptivo hormonal combinado; obesidade; dislipoproteinemia; hipertensão; enxaqueca; valvopatia; fibrilação arterial; imobilização prolongada, cirurgia de grande porte, qualquer intervenção cirúrgica em membros inferiores ou trauma extenso. Nestes casos, é aconselhável descontinuar o uso do CIC - em casos de cirurgia programada a última injeção deve ter sido aplicada pelo menos com oito semanas de antecedência - e não reiniciá-lo até, pelo menos, duas semanas após o restabelecimento.
Não existe consenso quanto a possível influência de veias varicosas e tromboflebites superificiais na gênese do tromboembolismo venoso.
Aumento do risco de tromboembolismo no puerpério deve ser considerado.
Outras condições clínicas que também têm sido associadas aos eventos adversos circulatórios em usuárias de contraceptivos orais combinados incluem: diabete melito, lupo eritematoso sistêmico, síndrome hemolítico-urêmica, patologia intestinal inflamatória crônica (doença de Crohn ou colite ulcerativa). Não há dados disponíveis sobre o uso de CICs em pacientes que apresentam anemia falciforme, porém, as que possuem anemia falciforme homozigota podem ter um risco aumentado de trombose.
Um aumento da frequencia ou da intensidade de enxaquecas durante o uso de CICs pode ser motivo para a suspensão imediata do mesmo, dada a possibilidade deste quadro representar o início de um evento vascular cerebral.
Alguns fatores bioquímicos que podem indicar predisposição hereditária ou adquirida para trombose venosa ou arterial incluem resistência a proteína C ativada (PCA), hiper-homocisteinemia, deficiências de antitrombina III, de proteína C e de proteína S, anticorpos antifosfolipídios (anticorpos anticardiolipina, anticoagulante lúpico).
Na avaliação da relação risco/benefício, o médico deve considerar que o tratamento adequado de uma condição clínica pode reduzir o risco associado de trombose e que o risco associado à gestação é mais elevado do que aquele associado ao uso de contraceptivos hormonais.
- Tumores
Há pouca evidência empírica a respeito dos efeitos de contraceptivos injetáveis combinados e o risco de neoplasia. Geralmente, pode-se tomar como base a experiência observada com o uso de COCs.
- Câncer cervical
Em um estudo epidemiológico em mulheres da América Latina, não foi observada qualquer associação entre o uso de contraceptivos injetáveis mensais (contendo dihidroxiprogesterona e um éster de estradiol) e o risco de câncer cervical. Não foi observado um aumento no risco de desenvolvimento de lesões cervicais de células escamosas intraepiteliais em usuárias de contraceptivos injetáveis nos EUA.
O fator de risco mais importante para o câncer cervical é a infecção persistente por HPV. Alguns estudos epidemiológicos indicaram que o uso de COCs por período prolongado pode contribuir para este risco aumentado, mas continua existindo controvérsia sobre a extensão em que esta ocorrência possa ser atribuída aos efeitos concorrentes, por exemplo, da realização de citologia cervical e do comportamento sexual, incluindo a utilização de contraceptivos de barreira.
- Câncer de mama / Câncer de ovário
O efeito do estrogênio e do progestógeno contidos em enantato de noretisterona + valerato de estradiol sobre o risco de desenvolvimento de câncer de mama e de câncer de ovário não foi avaliado.
Para mulheres que utilizam COC's, a avaliação do risco de câncer de mama está baseada em uma meta-análise de 54 estudos epidemiológicos, que relatou haver um pequeno aumento no risco relativo (RR=1,24) para o diagnóstico de câncer de mama. Este aumento desaparece gradualmente nos 10 anos subsequentes à suspensão do uso do COC. Uma vez que o câncer de mama é raro em mulheres com idade inferior a 40 anos, o aumento no número de diagnósticos de câncer de mama em usuárias atuais e recentes de COC's é pequeno, se comparado ao risco total de câncer de mama. Estes estudos não fornecem evidências de causalidade. O padrão observado de aumento do risco pode ser devido ao diagnóstico precoce de câncer de mama em usuárias de COCs, aos efeitos biológicos dos COCs ou à combinação de ambos. Os casos de câncer de mama diagnosticados em usuárias de primeira vez de COC's tendem a ser clinicamente menos avançados do que os diagnosticados em mulheres que nunca utilizaram COCs.
- Tumores hepáticos
Foram observados, em casos raros, tumores hepáticos benignos e, mais raramente, malignos em usuárias de COCs. Em casos isolados, esses tumores provocaram hemorragias intra-abdominais com risco de vida para a paciente. A possibilidade de tumor hepático deve ser considerada no diagnóstico diferencial em usuárias de enantato de noretisterona + valerato de estradiol que apresentarem dor intensa em abdome superior, aumento do tamanho do fígado ou sinais de hemorragia intra-abdominal.
- Outras condições
Embora tenham sido relatados discretos aumentos da pressão arterial em muitas usuárias de COCs, os casos de relevância clínica são raros. Entretanto, no caso de desenvolvimento e manutenção de hipertensão clinicamente significativa, é prudente que o médico descontinue o uso do produto e trate a hipertensão. Se for considerado apropriado, o uso de enantato de noretisterona + valerato de estradiol pode ser reiniciado, caso os níveis pressóricos se normalizem com o uso de terapia anti-hipertensiva. Foi descrita a ocorrência ou agravamento das seguintes condições, tanto durante a gestação quanto durante o uso de COC, e podem ocorrer em usuárias de CICs, no entanto a evidência de uma associação é inconclusiva: icterícia e/ou prurido relacionados à colestase; formação de cálculos biliares; porfiria; lupo eritematoso sistêmico; síndrome hemolítico-urêmica; coreia de Sydenham; herpes gestacional; perda da audição relacionada com a otosclerose.
Como os hormônios esteroidais contidos nos contraceptivos injetáveis combinados (CICs) são metabolizados no fígado, eles poderiam, teoricamente, ocasionar efeitos adversos em mulheres cuja função hepática esteja comprometida. Os distúrbios agudos ou crônicos da função hepática podem requerer a descontinuação do uso de enantato de noretisterona + valerato de estradiol, até que os marcadores da função hepática retornem aos valores normais. A recorrência de icterícia colestática que tenha ocorrido pela primeira vez durante a gestação, ou durante o uso anterior de esteroides sexuais, requer a descontinuação do uso de enantato de noretisterona + valerato de estradiol.
Embora os CICs possam exercer efeito sobre a resistência periférica à insulina e sobre a tolerância à glicose, não há evidência da necessidade de alteração do regime terapêutico em usuárias diabéticas. Entretanto, deve-se manter cuidadosa vigilância enquanto estas pacientes estiverem utilizando CIC's.
As seguintes condições foram associadas ao uso de COCs e podem estar presentes em usuárias de CIC's: doença de Crohn e colite ulcerativa, cloasma, especialmente em mulheres com história de cloasma gravídico. Mulheres predispostas ao desenvolvimento de cloasma devem evitar a exposição ao sol ou à radiação ultravioleta enquanto estiverem usando contraceptivo hormonal.
- Consultas/exames médicos
Antes de iniciar ou retomar o uso de enantato de noretisterona + valerato de estradiol, é necessário obter história clínica detalhada e realizar exame clínico completo, considerando os itens descritos em "Contraindicações" e "Precauções e Advertências"; estes acompanhamentos devem ser repetidos periodicamente. A avaliação médica periódica é igualmente importante porque as contraindicações (por exemplo, um ataque isquêmico transitório) ou fatores de risco (por exemplo, história familiar de trombose arterial ou venosa) podem aparecer pela primeira vez durante a utilização de CIC's. A frequencia e a natureza dessas avaliações devem ser baseadas nas condutas médicas estabelecidas e ser adaptadas a cada usuária, mas devem, em geral, incluir atenção especial à pressão arterial, mamas, abdôme e órgãos pélvicos, incluindo citologia cervical. As usuárias devem ser informadas de que os CICs não protegem contra infecções causadas pelo HIV (AIDS) e outras doenças sexualmente transmissíveis.
- Redução da eficácia
A eficácia de enantato de noretisterona + valerato de estradiol pode ficar reduzida no caso de, por exemplo, prolongamento do intervalo recomendado entre as injeções (veja o item "Posologia") ou por uso concomitante de outros medicamentos (veja o item "Interações medicamentosas").
- Redução do controle do ciclo
Como ocorre com outros contraceptivos hormonais, podem surgir sangramentos irregulares (gotejamento ou sangramento de escape), especialmente durante os primeiros meses de uso. Portanto, a avaliação de qualquer sangramento irregular somente será significativa após um intervalo de adaptação de cerca de três ciclos.
Com enantato de noretisterona + valerato de estradiol, foi observada baixa frequencia de sangramentos irregulares ( < 8%) e a amenorreia ( < 3%) e baixa taxa de descontinuação devido a sangramentos irregulares (5,1%). Após a primeira injeção de enantato de noretisterona + valerato de estradiol, observa-se uma redução na duração do ciclo (11-15 dias).
Uma ou duas semanas após a primeira injeção, ocorrerá sangramento semelhante ao menstrual. Isto é normal e com a continuação do uso de enantato de noretisterona + valerato de estradiol os sangramentos ocorrerão geralmente em intervalos de 30 dias. Normalmente, o dia da injeção mensal estará dentro do intervalo livre de sangramento.
Se os sangramentos irregulares persistirem ou ocorrerem após ciclos anteriormente regulares, devem ser consideradas causas não hormonais e, nesses casos, são indicados procedimentos diagnósticos apropriados para exclusão de neoplasia ou gestação. Estas medidas podem incluir a realização de curetagem.
É possível que em algumas usuárias não ocorra o sangramento dentro de 30 dias após a injeção. Nestes casos, a possibilidade de gravidez deve ser excluída, utilizando-se testes adequados. Entretanto, se enantato de noretisterona + valerato de estradiol foi aplicada de acordo com as instruções descritas no item "Posologia e modo de usar", é pouco provável que a usuária esteja grávida.
- Retorno da fertilidade
Nenhum efeito inibitório prolongado do eixo pituitária-ovário foi observado em mulheres que usaram enantato de noretisterona + valerato de estradiol por 2-3 anos. Após a interrupção do uso de enantato de noretisterona + valerato de estradiol, 19% das mulheres ovularam no primeiro ciclo e 67% no segundo ciclo após o tratamento.
- Gravidez e lactação
O enantato de noretisterona + valerato de estradiol é contraindicado durante a gravidez. Caso a usuária engravide durante o uso de enantato de noretisterona + valerato de estradiol, as aplicações posteriores devem ser descontinuadas. Estretanto, estudos epidemiológicos abrangentes não revelaram risco aumentado de malformações congênitas em crianças nascidas de mulheres que utilizaram contraceptivos hormonais antes da gestação. Também não foram verificados efeitos teratogênicos decorrentes da ingestão acidental de contraceptivos hormonais no início da gestação.
Os contraceptivos hormonais podem afetar a lactação, uma vez que podem reduzir a quantidade e alterar a composição do leite materno.
Não existem dados suficientes sobre os efeitos dos CICs na quantidade e qualidade do leite materno ou na duração da lactação. Para enantato de noretisterona + valerato de estradiol, não há evidência de influência sobre a prolactina ou sobre a produção do leite. Entretanto, o uso de CICs não é recomendado, geralmente, até seis meses após o parto ou até que a lactante tenha suspendido completamente a amamentação do seu filho. Pequenas quantidades dos esteroides contraceptivos e/ou de seus metabólitos podem ser excretadas com o leite, embora não existam evidências de que haja prejuízo para a saúde da criança.

Interações medicamentosas.

As interações medicamentosas entre CICs e outros fármacos podem produzir sangramento de escape e/ou diminuição da eficácia do contraceptivo. Para contraceptivos orais combinados as seguintes interações foram relatadas na literatura e também podem ser relevantes para CICs:
- Metabolismo hepático: interações podem ocorrer com fármacos que induzem as enzimas microssomais, o que pode resultar em aumento da depuração dos hormônios sexuais como, por exemplo, com fenitoínas, barbitúricos, primidona, carbamazepina, rifampicina e também, possivelmente, com oxcarbazepina, topiramato, felbamato, ritonavir, griseofulvina e produtos contendo Erva de São João.
- Interação com a circulação êntero-hepática: alguns relatos clínicos sugerem que a circulação êntero-hepática de estrogênios pode diminuir quando certos antibióticos como as penicilinas e tetraciclinas são administrados concomitantemente.
Usuárias com tratamento com qualquer uma das substâncias acima citadas devem utilizar temporária e adicionalmente um método contraceptivo de barreira ou escolher um outro método contraceptivo. Durante o período em que estiver fazendo uso de algum medicamento indutor das enzimas microssomais, o método de barreira deve ser usado concomitantemente, assim como nos 28 dias posteriores à sua descontinuação. As usuárias tratadas com antibióticos devem utilizar método de barreira durante o tratamento com os mesmos e ainda por 7 dias após a descontinuação da antibioticoterapia, exceto com rifampicina e griseofulvina, que são indutores de enzimas microssomais, para os quais se deve manter o uso de método de barreira por 28 dias após descontinuação dos mesmos.
Os contraceptivos hormonais podem interferir no metabolismo de outros fármacos. Consequentemente, as concentrações plasmática e tecidual destes fármacos podem ser afetadas (por exemplo, ciclosporina).
Deve-se também avaliar as informações contidas na bula do medicamento utilizado concomitantemente a fim de identificar interações em potencial.

Posologia e modo de usar.

O enantato de noretisterona + valerato de estradiol deve ser sempre administrado por via intramuscular profunda (de preferência na região glútea e, como alternativa, no braço). As injeções devem ser administradas de forma extremamente lenta (veja o item "Reações adversas"). É recomendável ocluir o local onde se aplicou a injeção para evitar qualquer refluxo da solução.
? Início do uso de enantato de noretisterona + valerato de estradiol
- Quando nenhum outro método contraceptivo hormonal está sendo usado
A primeira injeção deve ser administrada no primeiro dia do ciclo menstrual (primeiro dia de sangramento).
- mudança de um contraceptivo oral combinado (COC) para enantato de noretisterona + valerato de estradiol
- Preferivelmente, a mulher deve iniciar o uso de enantato de noretisterona + valerato de estradiol imediatamente após a ingestão do último comprimido ativo do COC ou após a ingestão do comprimido ativo do COC por pelo menos 7 dias.
- mudando da minipílula, implante ou injeção (apenas progestógeno) ou SIU (sistema intrauterino) com progestógeno para enantato de noretisterona + valerato de estradiol
A troca de método contraceptivo pode ser feita em qualquer dia no caso da minipílula (ou no dia da retirada do implante ou SIU ou da aplicação do contraceptivo injetável usado anteriormente), mas em todos estes casos deve ser recomendado o uso adicional de um método contraceptivo de barreira durante os primeiros 7 dias após a injeção.
? Abortamento de primeiro trimestre
Neste caso, pode-se iniciar o uso a qualquer momento dentro da primeira semana após o abortamento, sem necessidade de utilizar medidas contraceptivas adicionais.
? Após parto ou abortamento de segundo trimestre
- A injeção de enantato de noretisterona + valerato de estradiol deve ser administrada no período entre o 21° e o 28° dia após o procedimento ou na primeira menstruação do pós-parto. Quando o uso for iniciado mais tarde, deve-se aconselhar o uso adicional de um método de barreira durante os 7 dias após a injeção de enantato de noretisterona + valerato de estradiol. Entretanto se já tiver ocorrido relação sexual, a possibilidade de gravidez deve ser excluída antes do início do uso de enantato de noretisterona + valerato de estradiol ou deve-se aguardar a primeira menstruação.
Para amamentação, veja o item "Gravidez e lactação".
? Manutenção das injeções posteriores
A segunda injeção, assim como as injeções posteriores devem ser administradas, independentemente do padrão do ciclo, em intervalos de 30 ± 3 dias, isto é, no mínimo 27 e no máximo 33 dias.
Transcorrendo intervalo de injeção superior a 33 dias, não se pode contar, a partir desta data, com o grau necessário de segurança contraceptiva, e a usuária deverá utilizar um método contraceptivo adicional.
Se dentro dos 30 dias posteriores à administração de enantato de noretisterona + valerato de estradiol não ocorrer sangramento por privação hormonal, deve-se descartar a possibilidade de gravidez por meio de teste adequado.
? Instrução para preparo da seringa
- seringa com êmbolo já acoplado
- segure firmemente o protetor da agulha com uma mão; com a outra, segure o cilindro de plástico localizado no encaixe da agulha e gire, a fim de quebrar o anel de proteção;
- remova o cilindro plástico, expondo o encaixe da agulha;
- com a seringa na posição vertical (êmbolo para baixo), retire o protetor de borracha;
- encaixe a agulha na seringa;
- retire o protetor da agulha e expulse o ar.
A esterilidade do produto só é garantida se a embalagem não tiver sofrido prévia abertura.

Reações adversas.

Foram observadas as seguintes reações adversas em usuárias de contraceptivos hormonais, sem que a exata relação de causalidade tenha sido estabelecida:
- Distúrbios nos olhos: raramente pode ocorrer intolerância a lentes de contato.
- Distúrbios gastrointestinais: frequentemente pode ocorrer náusea e dor abdominal. Vômito e diarreia podem ocorrer com pouca frequência.
- Distúrbios no sistema imunológico: raramente ocorre hipersensibilidade.
- Distúrbios metabólicos e nutricionais: retenção de líquido pode ocorrer com pouca frequência.
- Distúrbios no sistema nervoso: frequentemente pode ocorrer cefaleia. Enxaqueca pode ocorrer com menos frequência.
- Distúrbios psiquiátricos: frequentemente podem ocorrer estados depressivos, alterações do humor. Diminuição da libido pode ocorrer com pouca frequência. Raramente pode ocorrer aumento da libido.
- Distúrbios no sistema reprodutivo e nas mamas: frequentemente pode ocorrer dor e hipersensibilidade dolorosa nas mamas. Hipertrofia mamária pode ocorrer com menos frequência. Raramente pode ocorrer secreção vaginal e secreção nas mamas.
- Distúrbios cutâneos e nos tecidos subcutâneos: erupção cutânea, uticária pode ocorrer com pouca frequência. Raramente pode ocorrer eritema nodoso, eritema multiforme, reações no local da injeção.
Experiência mostra que as reações como ímpeto de tossir, acessos de tosse e dispneia, que podem ocorrer em casos raros durante ou imediatamente após a injeção intramuscular de soluções oleosas, podem ser evitadas administrando-se a injeção de forma extremamente lenta.
ALTERAÇÕES EM EXAMES LABORATORIAIS
O uso de esteroides contraceptivos pode influenciar os resultados de certos exames laboratoriais, incluindo parâmetros bioquímicos das funções hepática, tiroidiana, adrenal e renal; níveis plasmáticos de proteínas (transportadoras), por exemplo, globulina de ligação à corticosteroides e frações lipídicas/lipoproteicas; parâmetros de metabolismo de carboidratos e parâmetros da coagulação e fibrinólise. As alterações geralmente permanecem dentro do intervalo laboratorial considerado normal.

Superdose.

Não há relatos de efeitos deletérios graves decorrentes de superdose de contraceptivos combinados.

Dizeres legais.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.
Reg. M.S.: 1.7794.0010.

Princípios Ativos de Enant Noretisterona+val Estradiol Mabra

Patologias de Enant Noretisterona+val Estradiol Mabra

Laboratório que produce Enant Noretisterona+val Estradiol Mabra