BALCOR RETARD

BALDACCI

diltiazem

Anti-hipertensivo. Antianginoso. Antiarrítmico.

Apresentações.

Cápsula de liberação prolongada de 300 mg.
Embalagem com 30 cápsulas.
VIA ORAL - USO ADULTO

Composição.

BALCOR® retard 300 mg: cada cápsula contém 300 mg de cloridrato de diltiazem, correspondentes a 275,75 mg de diltiazem. Excipientes q.s.p 1 cápsula
Excipientes: amido, copolímero de ácido metacrílico, corante amarelo de tartrazina n° 5 laca, corante azul brilhante, goma laca, sacarose, talco.

Informações técnicas.

INDICAÇÕES
Tratamento da hipertensão arterial;
Tratamento da insuficiência coronária, em todas as formas de angina do peito (de repouso, de esforço, de Prinzmetal e mesmo angina pós-infarto agudo do miocárdio).
Tratamento da isquemia silenciosa.
Arritmias supraventriculares e na prevenção de arritmias pós-infarto.

RESULTADOS DE EFICÁCIA
Estudo multicêntrico duplo-cego e randomizado comparado com grupo placebo-controle incluiu 182 pacientes com angina estável e demonstrou que a administração diária de diltiazem 300mg em dose única é eficaz na profilaxia de angina de esforço estável. 1
Em pacientes com doença sintomática das artérias coronárias, o uso de medicação bloqueadora dos canais de cálcio se mostrou tão eficaz quanto o uso de medicação de ação betabloqueadora no alívio de angina e no prolongamento do tempo de exercício físico em esteira até a referência de angina ou de evidência de isquemia miocárdica por registro eletrocardiográfico.2
Estudo multicêntrico randomizado investigador-cego envolvendo 230 portadores de hipertensão arterial sistêmica de grau leve a moderada, divididos em 3 braços comparando o uso diário de 300mg de diltiazem em dose única com o uso de 20 mg de nifedipina, liberação prolongada, e um diurético tiazídico. Após 8 semanas de tratamento, a administração em dose única de diltiazem 300mg foi tão eficaz quanto a nifedipina, como agente anti-hipertensivo sendo que a nifedipina registrou maior taxa de retirada por efeito adverso3.
O diltiazem mostra-se eficaz e bem tolerado como primeira opção ou como opção alternativa no tratamento dos portadores de angina, doença isquêmica do miocárdio, hipertensão arterial sistêmica, arritmias supraventriculares, e com evidente benefício na isquemia do miocárdio induzida pelo esforço.4
1. Frances Y, Gagey S, Stalla-Bourdillon A. Twenty-four hour efficacy of two dose levels of a once daily sustained-release diltiazem formulation in stable angina: a placebo-controlled trial. The Dildurang Study Group. Br J Clin Pharmacol. 1995 Mar; 39(3):277-82.
2. Rosendorff C. Calcium antagonists in the treatment of hypertension in patients with ischaemic heart disease. Expert Opin Pharmacother. 4(9) 2003; 1535-41.
3. Hosie J, Nasar MA, Belgrave GP, Walters EG. A comparative study of long acting diltiazem (Tildiem LA) with sustained release nifedipine (nifedipine SR) and bendrofluazide in the treatment of mild to moderate hypertension. Acta Cardiol. 1994; 49(3):251-65.
4. Buckley MM. Grant SM. Goa KL. McTavish D. Sorkin EM. Diltiazem. A reappraisal of its pharmacological properties and therapeutic use. Drugs. 1990. 39(5):757-806,

CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS
Farmacodinâmica BALCOR® retard
300 mg é um medicamento do grupo dos antagonistas do cálcio. Sua ação dá-se nos canais lentos das membranas celulares miocárdicas e da musculatura lisa dos vasos, durante a fase de despolarização, provocando a inibição do influxo de cálcio. Na angina do peito por espasmos coronarianos, seu efeito deve-se à dilatação específica das artérias coronarianas epicárdicas e subendocárdicas. Proporciona um efeito cardioprotetor, porque possui também uma ação antioxidante indireta que não permite a formação de radicais livres, elementos de potente ação lesiva celular. BALCOR® retard 300 mg proporciona aumento da tolerância ao exercício físico na angina de esforço, devido à redução do consumo de oxigênio do miocárdio. Promove a redução da frequência cardíaca e da tensão arterial sistêmica, face à sobrecarga física submáxima e máxima.
Farmacocinética
BALCOR® retard
300 mg, comparativamente a outros antagonistas do cálcio, apresenta um início de ação menos brusco, facilitando uma adequação posológica e melhor tolerabilidade geral.

CONTRAINDICAÇÕES
Na doença do nó sinusal, no bloqueio AV de 2° ou 3° graus, exceto em pacientes com marca-passo funcionante. Na hipotensão arterial (valor sistólico inferior a 80 mmHg). Na bradicardia acentuada (pulso inferior a 55 bpm). É também contraindicado durante a gravidez ou em pacientes com possibilidade de engravidar, no período de lactação e na infância. BALCOR® retard 300 mg é contraindicado para pacientes com hipersensibilidade a algum componente da formulação.

ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES
Gerais
BALCOR® retard 300mg
é extensivamente metabolizado pelo fígado e excretado pelos rins e na bile. Como algumas novas drogas administradas por períodos prolongados, os parâmetros laboratoriais devem ser monitorados em intervalos regulares. A droga pode ser utilizada com cautela em pacientes com disfunção hepática ou renal. Nos estudos de toxicidade subaguda e crônica em ratos e cães, altas doses de diltiazem foram associadas a danos hepáticos. Em estudos hepáticos subagudos especiais, doses orais acima de 125 mg/kg administradas em ratos, foram associadas à alterações histológicas no fígado que reverteram com a descontinuação. Em cães, doses de 20 mg/kg também foram associadas às alterações hepáticas, no entanto, estas reverteram com a descontinuação.
Condução elétrica do estímulo cardíaco
Prolonga o período refratário do Nó AV sem significativo prolongamento do tempo de recuperação do nó sinusal. Esse efeito poderá resultar, raramente, em frequência cardíaca anormal (particularmente em pacientes com doença do Nó Sinusal), ou bloqueio AV de 2° e 3° graus. O uso concomitante de BALCOR® retard 300 mg e betabloqueadores ou digitálicos pode ocasionar efeitos aditivos na condução cardíaca. Um paciente com angina de Prinzmetal desenvolveu períodos de assistolia (2 a 5 segundos) após dose única de 60 mg de diltiazem.
Insuficiência cardíaca congestiva
Apesar de BALCOR® retard 300 mg ter efeito inotrópico negativo em preparações de tecido animal isolado, os estudos hemodinâmicos no homem com função ventricular normal, não demonstraram uma redução no índice cardíaco nem efeitos negativos consistentes na contratilidade (dp/dt). Experiências com diltiazem, administrado exclusivamente ou associado a betabloqueadores, em pacientes com função ventricular debilitada, são muito limitadas. Nestes casos o uso do medicamento deve dar-se com cautela.
Hipotensão
O decréscimo da pressão arterial, associado à terapia com diltiazem, pode ocasionalmente resultar em hipotensão sintomática.
Danos hepáticos agudos
Em raros casos, têm-se observado elevação significante de enzimas, tais como fosfatase alcalina, CPK, LDH, SGPT, e outros sintomas consistentes e danos hepáticos agudos. Após a descontinuação do medicamento, essas reações revertem. A relação desses sintomas com o medicamento é incerta em muitos casos, mas provável em alguns casos.
Gravidez e lactação
Foram desenvolvidos estudos de reprodução em ratos, camundongos e coelhos. A administração de doses cinco a dez vezes maiores que a recomendada diariamente como terapêutica antianginosa resultaram em letalidade embrionária e fetal. Essas doses, em alguns estudos, foram associadas como causa de anormalidades esqueléticas. Em estudos peri e pós-natais, notou-se alguma redução no peso e na proporção de filhotes sobreviventes. Houve um aumento da incidência de natimortos com doses pelo menos 20 vezes maiores que a humana. Não se realizaram estudos bem controlados com mulheres grávidas até o presente, assim sendo, recomenda-se o emprego de BALCOR® retard 300 mg, nestes casos, somente se o potencial benefício justificar o potencial risco ao feto. BALCOR® retard 300 mg é excretado no leite humano. Um trabalho realizado sugere que a concentração da droga no leite pode aproximar-se aos níveis séricos. Se o uso de BALCOR® retard 300 mg for considerado necessário, uma via alternativa de aleitamento deve ser instituída.
Uso pediátrico
A segurança e a eficácia em crianças não foram estabelecidas.
PACIENTES IDOSOS BALCOR® retard 300 mg pode ser usado por pessoas acima de 65 anos de idade, desde que observadas as precauções do produto.
Este produto contém o corante amarelo de TARTRAZINA que pode causar reações de natureza alérgica, entre as quais asma brônquica especialmente em pessoas alérgicas ao ácido acetilsalicílico.
Atenção diabéticos: contém açúcar.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS
Estudos farmacológicos indicam que pode haver aditivos prolongando a condução AV, quando o diltiazem é utilizado concomitantemente a betabloqueadores ou digitálicos. Estudos controlados e não controlados sugerem que essa associação é geralmente bem tolerada. Os dados disponíveis, no entanto, são insuficientes para predizer os efeitos do tratamento, particularmente em pacientes com disfunção ventricular esquerda ou com anormalidades de condução cardíaca. Em voluntários sadios, diltiazem tem demonstrado aumento do nível sérico da digoxina em 20%.
Uso concomitante com outros antianginosos:
Nitratos sublinguais: podem ser administrados para a interrupção de ataques anginosos agudos, durante o tratamento com diltiazem. Nitratos profiláticos: diltiazem pode ser seguro quando administrado com nitratos de curta e longa duração, porém não há estudos controlados para avaliar a eficácia desta combinação. Betabloqueadores: ver restrições e cuidados a serem considerados.

CUIDADOS DE ARMAZENAMENTO DO MEDICAMENTO
Manter em temperatura ambiente (15°C e 30°C), protegido da luz e da umidade. O prazo de validade do produto é de 36 meses a partir da data de fabricação.
Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.
Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original
. A cápsula de BALCOR® retard 300 mg é: cápsula gelatinosa dura, incolor, corpo gravado em vermelho "Balcor Retard" e tampa gravada em vermelho com o logotipo "Baldacci". Dentro das cápsulas há microgrânulos, brancos a levemente amarelados e verdes.
Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

POSOLOGIA E MODO DE USAR
Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.
BALCOR® retard 300 mg: Recomenda-se 1 cápsula ao dia.

REAÇÕES ADVERSAS
Reações adversas sérias têm sido raras nos estudos desenvolvidos até o momento, porém deve-se reconhecer que pacientes com função ventricular debilitada e com anormalidades de condução cardíaca têm sido excluídos desses estudos.
Testes clínicos controlados com placebo: as ocorrências que em seguida relacionamos, observadas em estudos clínicos, podem ser derivadas da farmacologia de inibição do influxo de cálcio pelo medicamento. Em muitos casos, não se tem estabelecido uma relação entre o medicamento e esses efeitos adversos. As ocorrências mais comuns são: edema (2,4%), cefaleia (2,1%), náusea (1,9%), tontura (1,5%), erupção (1,3%), astenia (1,2%). Os eventos que passamos a descrever em seguida não excederam a 1%.
Cardiovascular
Angina, arritmia, bloqueio AV (1° grau), bloqueio AV (2° e 3° graus), bradicardia, insuficiência cardíaca congestiva, rubor, hipotensão, palpitações, síncope.
Sistema nervoso
Amnésia, distúrbios da marcha, alucinações, insônia, nervosismo, parestesia, alteração de personalidade, sonolência, zumbido e tremor.
Gastrintestinal
Anorexia, constipação, diarreia, alteração do paladar, dispepsia, elevações ligeiras da fosfatase alcalina, SGOT, SGPT e LDH, vômitos, aumento de peso.
Dermatológico
Petéquias, prurido, fotossensibilidade, urticária.
Carcinogênese, mutagênese e fertilidade
Um estudo de 24 meses com ratos, e outro de 21 meses com camundongos, não demonstraram evidências de carcinogenicidade. Em testes bacteriológicos, in vitro, também não houve resposta mutagênica. Não se observaram efeitos intrínsecos na fertilidade.
Outros
Ambliopia, dispneia, epistaxe, irritação ocular, hipoglicemia, congestão nasal, nictúria, dor osteoarticular, poliúria, dificuldades sexuais. Outros efeitos constatados infrequentemente na prática clínica com o produto são: alopecia, hiperplasia gengival, eritema multiforme e leucopenia. No entanto, a relação de causa e efeito do produto com esses eventos deve ainda ser estabelecida.
Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária- NOTIVISA, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

SUPERDOSE
Experiências com superdosagem da droga são limitadas. Na eventualidade de superdosagem, recomenda-se adotar as medidas habituais. As seguintes medidas devem ser consideradas:
Bradicardia
Administrar atropina (0,6 a 1 mg). Não havendo resposta vagal, administrar isoproterenol cautelosamente.
Bloqueio AV de alto grau
Tratar como para bradicardia. Deve ser tratado com marca-passo cardíaco.
Insuficiência cardíaca
Administrar agentes inotrópicos (isoproterenol, dopamina ou dobutamina) e diuréticos.
Hipotensão
Vasopressores (dopamina ou bitartarato de levarterenol). O tratamento e a posologia devem ser determinados em função da gravidade e da situação clínica, definidos pelo médico.
Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS
M.S. N° 1.0146.0050.
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
M.S. Nº 1.0146.0050

Princípios Ativos de Balcor Retard

Laboratório que produce Balcor Retard