Vinflunina

Ações terapêuticas.

Antineoplásico.

Propriedades.

Trata-se de um moderno antineoplásico citotóxico pertencente ao grupo dos alcaloides derivados da vinca, que atua inibindo o crescimento das células neoplásicas e cessando a divisão celular para provocar a morte (citotoxicidade). Sua indicação pontual é o câncer de bexiga e do trato urinário em fase avançada ou metastática quando não houve sucesso por tratamento prévio com derivados da platina. A vinflunina liga-se à tubulina nos sítios de união inibindo sua polimerização em microtúbulos, o que leva à supressão do fenômeno denominado treadmilling (fluxo de subunidades dos filamentos e microtúbulos ao longo dos polímeros) com interrupção das mitoses e consequente apoptose. O fármaco é administrado por perfusão intravenosa e apresenta uma ampla difusibilidade pelos tecidos; apresenta ligação no plasma com as lipoproteínas de alta densidade (HDL) e com a albumina sérica. Seus metabólitos são produzidos pela isoenzima CYP3A4 do citocromo e a eliminação ocorre através das fezes (2/3) e da urina (1/3).

Indicações.

Câncer avançado de bexiga.

Posologia.

A administração é feita por gotejamento intravenoso durante 20 minutos. O produto deve ser previamente diluido em solução fisiológica ou dextrose a 5% (100 ml). A dose recomendada é 320 mg/m2 a cada 3 semanas. Após a infusão a veia deve ser irrigada com solução de cloreto de sódio (0,9%) ou de dextrose (5%). Em caso de contato com a pele, a área deve ser lavada imediatamente com abundante água e sabão. Em pacientes com estádio igual a 1 ou PS igual a 0 com irradiação prévia devem empregar-se 280 mg/m2.

Reações adversas.

As mais observadas foram hematológicas (anemia, leucopenia, neutropenia), gastrintestinais (vômitos, náusea, diarreia, mucosite, constipação, dor abdominal, estomatites) e gerais (astenia, anorexia), dor no lugar da perfusão, insônia, mialgias, cefaleia, enjoos, taquicardia.

Precauções.

Em pacientes com insuficiência hepática ou renal a dose recomendada deverá ser reduzida, e assim também em indivíduos de idade avançada ( > 75 anos). Em pacientes com insuficiência cardíaca congestiva ou arritmias sua administração deverá ser cuidadosamente ponderada. É recomendável evitar o uso associado com fármacos que prolongam o intervalo QT. Em associação com opiáceos o risco de constipação é aumentado.

Interações.

Não associar com indutores (rifampicina, Hypericum) ou inibidores (cetoconazol, ritonavir, itraconazol) do citocromo CYP3A4, já que estes fármacos podem aumentar ou diminuir as concentrações plasmáticas do antineoplásico.

Contraindicações.

Gravidez e amamentação. Hipersensibilidade ao fármaco. Infecção atual ou recente ( < 2 semanas). Leucopenia ( < 1.500/mm3). Trombocitopenia ( < 100.000/mm3).