Timolol

Ações terapêuticas.

Antiglaucomatoso. Hipotensor. Antienxaqueca.

Propriedades.

É um bloqueador adrenérgico beta1 e beta2 (não seletivo). O mecanismo exato de sua ação hipotensora no olho não foi descrito. Os estudos com tonografia e fluorofotometria sugerem que o timolol diminui a pressão intraocular ao reduzir a produção de humor aquoso. Inicia sua ação 30 minutos depois de uma dose única e mantém uma redução significativa da pressão intraocular até 24 horas depois.

Indicações.

Glaucoma de ângulo aberto, glaucoma em olhos afácicos, glaucoma secundário, hipertensão ocular. Hipertensão essencial, enxaqueca comum e clássica.

Posologia.

Colírio: 1 gota de solução a 0,25% ou a 0,5% na conjuntiva, uma ou duas vezes por dia. Comprimidos: para diminuir os valores patológicos de pressão arterial inicia-se com 10 mg por via oral até um máximo de 60 mg diários em várias tomadas. Como profilático na cardiopatia isquêmica são utilizados 10 mg duas vezes por dia. Para a enxaqueca aconselham-se 10 a 20 mg diários.

Reações adversas.

Em pacientes sem antecedentes de insuficiência cardíaca, a contínua depressão do miocárdio com betabloqueadores, incluído o timolol oftálmico, após um certo tempo pode dar lugar à insuficiência cardíaca. Requerem atenção médica: blefarite, conjuntivite ou ceratite, rash cutâneo, urticária ou prurido e alterações da visão, ansiedade, dor no peito, confusão, diarreia, tontura, alucinações, cefaleias, palpitações, bradicardia, náuseas, vômitos, cansaço ou debilidade não habituais, sibilâncias ou dispneia.

Precauções.

Em pacientes diabéticos pode mascarar alguns sinais de hipoglicemia, como a taquicardia, embora não a tontura e os suores. Em algumas ocasiões pode produzir aumento ou diminuição das concentrações de glicose no sangue. O timolol, por ser absorvido em forma sistêmica e excretado no leite materno, pode produzir reações adversas graves nos lactantes.

Interações.

Se ocorrer uma importante absorção sistêmica de timolol oftálmico, o uso de anestésicos por inalação pode causar a hipotensão severa prolongada; os hipoglicemiantes orais ou insulinas podem aumentar o risco de hiperglicemia ou hipoglicemia. Os bloqueadores beta-adrenérgicos podem causar um efeito aditivo na pressão intraocular ou nos efeitos sistêmicos do bloqueio beta. O uso simultâneo de glicosídeos digitálicos pode produzir bradicardia excessiva com possível bloqueio cardíaco. A adrenalina oftálmica pode proporcionar um efeito aditivo benéfico na redução da pressão intraocular de alguns pacientes.

Contraindicações.

Asma brônquica, doença pulmonar obstrutiva crônica grave, insuficiência cardíaca manifesta, choque cardiogênico, bloqueio auriculoventricular de 2º e 3º graus, bradicardia sinusal. A relação risco-benefício deve ser avaliada em presença de enfisema ou disfunção pulmonar, insuficiência cardíaca congestiva, diabetes mellitus, glaucoma de ângulo fechado, hipertireoidismo e miastenia gravis.

Medicamentos que tem Timolol e outro princípio ativo