Olodaterol

Ações terapêuticas.

Antiasmático.

Propriedades.

Trata-se de um moderno e ativo broncodilatador com ação específica e seletiva sobre os receptores b2 adrenérgicos (agonista adrenérgico de ação prolongada). A via de administração é inalatória. A ativação destes receptores produz aumento intracelular de adenililciclase, o que medeia a síntese da 3',5'-adenosina monofosfato cíclico (AMPc), para finalmente produzir broncodilatação por relaxamento da musculatura lisa brônquica. O uso é feito por via inalatória ("spray"). Os níveis plasmáticos máximos são alcançados entre 10 e 20 minutos após; sua biodisponibilidade é de aproximadamente 30%. A principal via de metabolização é por glicuronidação direta e por O-desmetilação no radical metoxila, com posterior conjugação. Liga-se em cerca de 60% a proteínas plasmáticas, a meia-vida é de 45 horas e sua eliminação ocorre por vias urinária (38%) e fecal (53%).

Indicações.

Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Bronquite crônica. Enfisema.

Posologia.

Por via oral, 1 dose (2 "puffs") 1 vez ao dia, sempre à mesma hora.

Reações adversas.

Relataram-se taquicardia, palpitações, dor precordial, hiperglicemia, hipocalemia, arritmias cardíacas, "rash" cutâneo, tonturas, tosse, hipertensão arterial.

Precauções.

Administrar com precaução em pacientes cardiopatas com arritmias, hipertensão arterial ou coronariopatias.

Interações.

Adrenérgicos, diuréticos, xantinas, b-bloqueadores, antidepressivos tricíclicos ou inibidores da MAO.

Contraindicações.

Asma brônquica. Hipersensibilidade ao fármaco.

Medicamentos que tem Olodaterol