MARCOUMAR®

ROCHE

femprocumona

Anticoagulante oral.

Apresentações.

Comprimidos de 3 mg. Uso Oral. Caixa com frasco de vidro âmbar contendo 25 comprimidos.
USO ADULTO

Composição.

Princípio ativo: comprimido contém 3 mg de 3-(1-fenil-propil)-4-hidroxicumarina (femprocumona). Excipientes: lactose, amido, talco e estearato de magnésio.

Indicações.

- Tromboses, embolias e infarto do miocárdio;
- Profilaxia de tromboses.

Resultados de eficácia.

Na prevenção de trombose em válvulas mecânicas em 27 crianças menores de 16 anos, o uso do Marcoumar® mostrou que 91 % dos pacientes ficaram livres de reações adversas relacionadas à anticoagulação e apenas um paciente apresentou trombose valvar, em um período de 10 anos de observação. (1)
O Marcoumar® é eficaz na anticoagulação pós-infarto agudo do miocárdio e 80% dos pacientes encontram-se na faixa adequada de anticoagulação no início do tratamento, mas a monitorização dos parâmetros de coagulação deve ser contínua. (2)
A anticoagulação com Marcoumar® reduziu o risco de eventos cerebrovasculares e reinfarto nos pacientes infartados. (3)
Num estudo multicêntrico placebo controlado, 946 pacientes foram randomizados durante 30 a 42 dias após o infarto agudo para receber placebo, aspirina ou Marcoumar® e seguidos durante 2 anos. Considerando os pacientes do sexo masculino, a aspirina reduziu 56,4% das mortes por evento coronário quando comparada ao placebo e o Marcoumar®, reduziu 55,6%. Entretanto, eventos coronarianos como um todo (morte coronária, infarto recorrente e não fatal) foram menores no grupo aspirina.(4)
Referências bibliográficas
1. Tiete AR, Sachweh JS, Groetzner J, et al. Systemic mechanical heart valve replacement in children under 16 years of age. Clin Res Cardiol. 2006 May;95(5):281-288.
2. Azar AJ, Deckers JW, Rosendaal FR, et al. Assessment of therapeutic quality control in a long-term anticoagulant trial in post-myocardial infarction patients. Thromb Haemost. 1994 Sep;72(3):347-51.
3. Effect of long-term oral anticoagulant treatment on mortality and cardiovascular morbidity after myocardial infarction. Anticoagulants in the Secondary Prevention of Events in Coronary Thrombosis (ASPECT) Research Group. Lancet. 1994 Feb 26;343(8896):499-503.
4. Breddin K, Loew D, Lechner K, et al. The German-Austrian aspirin trial: a comparison of acetylsalicylic acid, placebo and phenprocoumon in secondary prevention of myocardial infarction. On behalf of the German-Austrian Study Group. Circulation. 1980 Dec;62(6 Pt 2):V63-72.

Caract. farmacológicas.

Farmacodinâmica
Marcoumar®
inibe a coagulação sangüínea de forma específica, antagonizando a vitamina K nos sistemas enzimáticos que atuam no fígado durante a formação de vários fatores de coagulação (fator II = protrombina, fatores VII, IX e X). Marcoumar® pode ser considerado como um antagonista da vitamina K. O efeito anticoagulante de Marcoumar®, diferentemente da heparina, não é imediato. Este efeito não é observado in vitro. O início de ação ocorre após um a dois dias, e a eficácia plena é observada após quatro a seis dias de tratamento. O aumento da dose de Marcoumar® não reduz este tempo de latência.
A ação de Marcoumar® sobre a coagulação é controlada através da determinação do tempo de tromboplastina ou com métodos derivados desta determinação. Os tempos de coagulação obtidos podem ser convertidos em valores de Quick, taxas de protrombina ou, de preferência, em valores INR.
A ação prolongada e regular do Marcoumar® é obtida com doses muito baixas e desaparece progressivamente. Devido à sua ação específica, exercida exclusivamente sobre os sistemas enzimáticos dependentes da vitamina K, Marcoumar® não apresenta efeitos tóxicos sobre o fígado. Por essa razão, este produto está particularmente indicado nos tratamentos de longa duração (meses ou anos).
Kanakion® MM (fitomenadiona) (produzido à base de vitamina K1) é usado para anular o efeito anticoagulante de Marcoumar®.
Farmacocinética
Absorção
Femprocumona, princípio ativo de Marcoumar®, é rapidamente absorvida pelo trato gastrintestinal.
Distribuição
Uma pequena fração constante de femprocumona sangüínea encontra-se livre, sua forma farmacologicamente ativa. Cerca de 99% da femprocumona está ligada às proteínas plasmáticas, principalmente albumina, o que lhe confere uma função de depósito. Devido à permanência prolongada da femprocumona ligada às proteínas plasmáticas no organismo, o estado de equilíbrio só é alcançado alguns dias após a dose de manutenção ser modificada.
Metabolismo
Femprocumona é metabolizado principalmente pelo CYP450 2C9 e isoenzimas 3A4.
A femprocumona livre é hidroxilada no fígado, produzindo metabólitos praticamente inativos, que são eliminados por via renal.
Eliminação
Sua meia-vida plasmática é de aproximadamente 160 horas.
Farmacocinética em Situações Especiais
A insuficiência renal não exerce influência muito grande sobre sua meia-vida.
A eficácia de Marcoumar® pode ser reduzida por indução metabólica (pelos barbitúricos, por exemplo) ou aumentada devido à liberação do sítio de ligação protéica (pelos antiinflamatórios, por exemplo).

Contraindicações.

Marcoumar® não deve ser utilizado em pacientes com diátese hemorrágica, lesões graves do parênquima hepático (vide itens Advertências e Reações adversas), insuficiência renal, úlcera gastrintestinal, endocardite sub-aguda, aumento da fragilidade vascular (por exemplo, arteriosclerose avançada ou hipertensão grave), ou após intervenções neurocirúrgicas.
Angiografia não deve ser realizada em pacientes tratados com anticoagulantes.
As hemorragias menstruais não constituem contra-indicação para o uso de Marcoumar®.

Advertências.

Pacientes submetidos à ressecção pulmonar, cirurgias ginecológicas, gástricas ou de ductos biliares, assim como portadores de insuficiência cardíaca congestiva, arteriosclerose, hipertensão e disfunção hepática leve devem ser monitorizados com mais freqüência.
Alcoólatras crônicos podem experimentar redução do efeito anticoagulante, apesar deste estar aumentado na presença de doença hepática.
A função hepática de pacientes recebendo tratamento prolongado com Marcoumar® deve ser cuidadosamente controlada (vide itens Contra-indicações e Reações adversas).
Fenilbutazona e derivados de oxifenbutazona não devem ser administrados em pacientes recebendo Marcoumar®.
Gestação e lactação
Gestação categoria X: este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas ou que possam ficar grávidas durante o tratamento.
Em mulheres que estejam amamentando, o componente ativo passa para o leite materno, porém em tão pequenas quantidades que há pouco risco de reações adversas para o recém-nascido. Porém, como precaução, recomenda-se como profilaxia a administração semanal de 1 mg de vitamina K1.
Marcoumar®, como outros cumarínicos, pode estar associado a malformações congênitas. Portanto, não deve ser usado durante a gravidez e lactação. Pacientes em idade fértil, tratadas com Marcoumar®, devem realizar métodos anticoncepcionais até 3 meses após a última dose.
Efeitos sobre a capacidade de dirigir e operar máquinas
Não foram realizados estudos sobre os efeitos de Marcoumar® sobre a capacidade de dirigir e operar máquinas.
USO EM IDOSOS, CRIANÇAS E OUTROS GRUPOS DE RISCO
Vide item Advertências.

Interações medicamentosas.

Femprocumona é metabolizado principalmente pelo CYP450 2C9 e isoenzimas 3A4.
Medicamentos comumente prescritos podem potencializar ou antagonizar o efeito dos cumarínicos. Portanto, é importante a monitoração dos parâmetros da coagulação após o início ou retirada de outras drogas em pacientes em uso de anticoagulantes orais.
Substâncias que podem intensificar o efeito dos anticoagulantes orais: alopurinol, amiodarona, esteróides anabólicos, fibratos, dissulfiram, drogas anti-inflamatórias (salicilatos e alguns anti-inflamatórios não hormonais, incluindo inibidores da COX-2), tamoxifeno, drogas tireoideanas, antidepressivos tricíclicos, e alguns antimicrobianos (várias cefalosporinas, cloranfenicol, cloxacilina, sulfonamidas, derivados da eritromicina e derivados triazólicos e imidazólicos).
Substâncias que podem reduzir o efeito dos anticoagulantes: barbitúricos, carbamazepina, colestiramina, diuréticos, corticosteróides, rifampicina, vitamina K.
Redução no efeito e concentração do plasma foi relatada durante o tratamento com St. John´s Wort (Erva de São João - extrato Hypericum perforatum). Isto pode ser devido à indução das insoenzimas do citocromo P450. Em pacientes recebendo anticoagulantes orais, o tempo de protrombina deve ser monitorado, rigorosamente, do início ao fim do tratamento com a Erva de São João.
O efeito do álcool é variável sobre Marcoumar®. Alcoólatras crônicos podem experimentar redução do efeito anticoagulante, apesar deste estar aumentado na presença de doença hepática. A ingestão aguda pode aumentar o efeito anticoagulante.
Anticoncepcionais contendo estrogênios e progesterona podem aumentar o clearance de femprocumona sem alterar o seu efeito anticoagulante.
Marcoumar® pode intensificar o efeito de sulfoniluréias quando usadas concomitantemente (havendo risco de hipoglicemia).

Cuidados de armazenamento.

Marcoumar® deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15 e 30° C).
Prazo de Validade
A data de fabricação e o prazo de validade de Marcoumar® estão impressos na embalagem externa do produto. Não use qualquer medicamento fora do prazo de validade; pode ser prejudicial à saúde.

Posologia e modo de usar.

MODO DE USAR E CUIDADOS DE CONSEVAÇÃO DEPOIS DE ABERTO
Condições de conservação:
Marcoumar® deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15° e 30° C).
Manuseio:
Os comprimidos de Marcoumar® devem ser tomados com um pouco de líquido (não alcoólico).
Via de administração:
Marcoumar® deve ser administrado por via oral.
POSOLOGIA
O tratamento com Marcoumar® deve ser monitorado através do tempo de tromboplastina ou outro teste adequado, tal como um método que utiliza substratos cromógenos. A primeira determinação deve ser realizada antes do início do tratamento com Marcoumar®.

No terceiro dia, uma nova determinação é necessária, devendo-se adaptar a posologia de acordo com o resultado. Em geral, o valor de Quick deve ser mantido em 15 a 25% do valor normal (INR: 2,5-5,0) e, se houver risco elevado de hemorragia, em 20-30% do valor normal (INR: 1,5-2,5).
O tratamento de manutenção requer doses mais baixas de Marcoumar®, ou seja, 1/2 a 2 comprimidos por dia. A resposta ao tratamento é variável em cada paciente, sendo necessária a monitoração contínua dos parâmetros de coagulação, estabelecendo, assim, a dose adequada para cada paciente.
Orientações posológicas especiais
Profilaxia
: Para a maioria dos pacientes com risco de tromboses, três a quatro semanas de profilaxia com Marcoumar® está indicada. O tratamento anticoagulante deve ser realizado pelo menos até que a mobilização do paciente seja satisfatória. A interrupção prematura do tratamento aumenta o risco de trombose. Marcoumar® deve ser administrado a partir do segundo ou terceiro dia após intervenção cirúrgica ou parto.
Tratamento: No caso de trombose aguda ou embolia, o tratamento anticoagulante deve ser iniciado com administração intravenosa de heparina. Uma vez superada a fase aguda, isto é, no mínimo após dois dias (dez dias ou mais nos casos graves), o tratamento pode ser continuado com Marcoumar®. No primeiro dia da fase de transição, administra-se a dose inicial completa de Marcoumar® além da dose habitual de heparina. Esta não apresenta ação prolongada e o efeito anticoagulante de Marcoumar® só se manifesta após um período de latência. Durante esta fase de transição, é necessário o controle rigoroso dos parâmetros da coagulação. A duração do tratamento com heparina depende do tempo necessário para a obtenção do grau desejado de anticoagulação. A duração do tratamento com Marcoumar® depende das necessidades clínicas; o tratamento pode se estender por vários meses e, às vezes, por alguns anos.
Supervisão do tratamento com Marcoumar®
É indispensável que o controle da ação do Marcoumar®, seja através da determinação do tempo de protrombina (Valor de Quick), ou outro teste adequado (método que emprega substratos cromógenos, por exemplo) seja realizado antes do início do tratamento e depois diariamente ou a cada 2 dias. Quando a dose de manutenção for estabelecida e seus efeitos forem conhecidos, é possível, devido à ação constante do produto, aumentar os intervalos entre os controles (uma determinação a cada 4 semanas, por exemplo), se não houver nenhuma modificação súbita na condição do paciente ou nas medicações concomitantes. Controles mais freqüentes são indispensáveis quando houver administração simultânea de medicamentos, influenciando sua ação ou a eliminação dos anticoagulantes (antibióticos e salicilatos, por exemplo).
A dose terapêutica é determinada pelas informações obtidas através dos métodos de determinação ou do tipo de reagente de tromboplastina utilizado. Considerando a tromboplastina do cérebro humano, a dose terapêutica está limitada pelos valores de Quick de 15 a 25%, ou seja, valores correspondentes de INR (2,5 a 5,0). Durante a profilaxia pré-operatória e per-operatória, os valores INR recomendados são de 1,5 a 2,5.
Reversão da anticoagulação
Caso, durante o tratamento por Marcoumar®, o grau de anticoagulação cair abaixo do valor terapêutico limite, recomenda-se ajustar a dose e monitorar os parâmetros da coagulação dois dias depois.
Hemorragias leves são geralmente controladas através da administração de 5 a 10 mg de Kanakion® MM (1/2 a 1 ampola de 10 mg) oral ou intravenosa lentamente. Caso não se atinja coagulação suficiente ou o sangramento continue após oito a doze horas, deve-se administrar uma segunda dose, possivelmente maior, de vitamina K.
Doses únicas de 20 mg e totais de 40 mg de Kanakion® MM (fitomenadiona) são consideradas máximas. Doses muito elevadas, isto é, superiores a 40 mg, devem ser evitadas, pois elas tornariam difícil a continuação do tratamento com Marcoumar®.
Em situações com risco de vida (como suspeita de hemorragia intracraniana, hemorragia gastrintestinal maciça, urgência cirúrgica), transfusão de concentrado de fatores de coagulação dependentes da vitamina K ou, eventualmente, de plasma fresco congelado deve ser realizado imediatamente.

Reações adversas.

Deve-se evitar a administração de injeções intramusculares durante o tratamento anticoagulante, devido ao risco de hemorragia e hematoma. Esta complicação ocorre raramente após injeções subcutâneas, e não há risco após administração venosa. Pacientes tratados ambulatorialmente com Marcoumar® devem levar consigo, como precaução, vitamina K1 e instruções sobre como usar, assim como uma declaração médica informando que o paciente encontra-se sob tratamento anticoagulante.
No caso da utilização concomitante de salicilatos ou antibióticos, são necessários controles mais freqüente dos parâmetros da coagulação sangüínea.
Necrose cutânea (geralmente infarto cutâneo) pode ocorrer no início do tratamento com anticoagulantes. Neste caso, deve-se suspender Marcoumar®, administrar vitamina K1, e substituir o tratamento por heparina. Pode-se administrar também prednisona.
Reações alérgicas cutâneas podem ocorrer durante o tratamento com Marcoumar®.
Intolerância gastrintestinal é rara. Marcoumar®, assim como outros derivados cumarínicos, pode causar, raramente, alopecia temporária.
Hepatite induzida por cumarínicos, com ou sem icterícia, pode ocorrer, sendo geralmente reversível após a descontinuação de Marcoumar®. No entanto, casos de insuficiência hepática exigindo transplante de fígado ou casos com evolução fatal foram relatados durante o tratamento com Marcoumar®. Portanto, deve-se monitorar cuidadosamente as funções hepáticas em pacientes sob uso prolongado de Marcoumar® (vide itens Contra-indicações e Advertências).
Existe a possibilidade de sangramento em diversos órgãos e especialmente hemorragias com risco de vida envolvendo o sistema nervoso central e sistema gastrintestinal.
Osteopenia e osteoporose foram relatadas durante o tratamento prolongado com Marcoumar®.

Superdose.

Vide item Posologia.

Dizeres legais.

MS -1.0100.0052
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

Princípios Ativos de Marcoumar

Patologias de Marcoumar

Laboratório que produce Marcoumar